i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

Cassação da ética

  • 10/03/2006 16:42

Apenas a ética e a coerência é que foram cassadas pelo plenário da Câmara Federal, reunido na noite de quarta-feira para deliberar sobre a recomendação do Conselho de Ética da Casa para que fossem cassados os mandatos de dois parlamentares. Embora réus confessos na acusação de que se beneficiaram do valerioduto, o pefelista Roberto Brant e o petista Professor Luizinho contaram com a ampla, caridosa, cúmplice e corporativista solidariedade da maioria de seus colegas e salvaram-se da punição.

A ética e a coerência começaram a ser vilipendiadas já desde o momento em que se tornou patente ter havido um acordo entre as bancadas da situação e da oposição para que fosse ignorada a recomendação do Conselho. O escrutínio final deixou claro que a bancada do PT votou maciçamente para preservar o mandato do deputado do pefelista, gesto que foi retribuído à altura quando a contagem dos votos que absolveram o petista revelou forte presença da bancada do PFL.

Valeu a favor dos parlamentares a argumentação simplória de que se tratavam de figuras ímpares e benquistas entre seus colegas. Que suas biografias de homens públicos registravam inegáveis serviços à sociedade. E que os valores que confessadamente receberam da fonte espúria do caixa 2 eram desprezíveis. Ignorou-se, no entanto, o principal – o fato indiscutível de que cometeram ilegalidades e feriram o decoro parlamentar.

É esse, única e exclusivamente, o objeto motivador da punição disciplinar que lhes se deveria aplicar. Seria injusto não reconhecer os eventuais méritos de que são possuidores; poderiam ser eles até incluídos nos panteões do heroísmo pátrio – mas ainda assim não deixaria de lhes pesar a mancha imperdoável de se terem utilizado de meios ilegais e imorais no exercício da atividade política e para alçarem-se à condição de mandatários populares. É esse o fato punível com a cassação de acordo com o regulamento disciplinar vigente na Câmara e cuja objetividade cristalina não combina com os critérios subjetivos que foram brandidos para justificar a absolvição.

Roberto Brant e Professor Luizinho não foram as primeiras fatias da pizza que começou a ser assada em maio do ano passado, quando das primeiras denúncias de que o mensalão e a artimanha do caixa 2 corriam soltos na Câmara. Antes deles, quatro deputados renunciaram porque sequer conseguiram protestar inocência, José Borba, Valdemar Costa Neto, Carlos Rodrigues e Paulo Rocha. Dois outros foram absolvidos no plenário, Sandro Mabel e Romeu Queiroz. No balanço final, a condenação do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar pesava contra 18 deputados, mas só nos casos de José Dirceu e do próprio deputado-acusador Roberto Jefferson ela foi confirmada.

A votação da última quarta-feira parece ter aberto de vez a porteira para que outra dezena de deputados mensaleiros se livre da punição cabível. E, então, estará completa a grande pizza servida ao povo brasileiro – cuja desesperança em relação à moralização da política apenas encontra razões para aumentar.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.