i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

O futuro e o passado incertos da Lava Jato

  • PorGazeta do Povo
  • [10/09/2020] [19:55]
Lava Jato diz que PGR não pode "vasculhar" investigações
Ministério Público Federal do Paraná, sede da força-tarefa da Lava Jato.| Foto: Albari Rosa/Arquivo Gazeta do Povo

Ao contrário de todas as outras prorrogações dos trabalhos da força-tarefa da Lava Jato, desta vez a maior operação contra a corrupção da história do país ganhou uma sobrevida de apenas quatro meses, por decisão do procurador-geral da República, Augusto Aras. A medida destoa bastante das prorrogações anteriores – mesmo Raquel Dodge, que teve sérios atritos com os procuradores de Curitiba quando chefiou a PGR, renovava os trabalhos por mais um ano quando venciam as autorizações para o funcionamento da força-tarefa.

Oficialmente, a alegação é de que as unidades do Ministério Público Federal que cederam membros para a Lava Jato têm cada vez mais dificuldade de abrir mão dos profissionais, graças a limitações de pessoal e orçamentárias. Mas não podemos deixar de questionar se o procurador-geral, cujas críticas à Lava Jato são bastante conhecidas, não estaria apenas preparando um fim da operação em fogo brando.

Há perguntas sobre o maior esquema de corrupção da história do país que ainda é preciso responder, e enquanto elas não tiverem resposta o trabalho da Lava Jato se fará necessário

É verdade que o teto de gastos impõe limitações, mas há um critério objetivo muito mais válido para analisar se a força-tarefa da Lava Jato precisa ou não ser prorrogada: o trabalho está concluído? O procurador Júlio Noronha, membro da equipe, afirmou em entrevista à Gazeta do Povo que há 400 investigações em andamento e que o último ano foi de recordes em vários aspectos, como cooperação internacional e recuperação de valores desviados. Com o fim da força-tarefa, tudo isso deixaria de contar com a dedicação exclusiva de uma equipe para, na melhor das hipóteses, se transformar em apenas mais um assunto dentre tantos outros que caberiam a uma futura unidade centralizada anticorrupção, idealizada por Aras.

Aqui, é preciso desmontar uma falácia dos que atacam uma suposta “eternização” da Lava Jato. Ela não é, nem nunca pretendeu ser, monopolizadora do combate à corrupção no país – felizmente há muitos outros profissionais dedicados nos Ministérios Públicos e polícias Brasil afora empenhados em diversas investigações. Também não é, e nunca pretendeu ser, permanente. Mas o que ela desvendou é nada menos que o maior esquema de corrupção da história do país: um conluio chefiado pelo PT, com a participação de vários outros partidos políticos e empreiteiras, para saquear estatais (começando pela Petrobras, mas indo muito além dela) e fraudar contratos com o objetivo de abastecer projetos de poder. Cada investigação, cada delação, cada acordo de leniência mostrava que havia fios soltos por todos os lados, e que era preciso puxá-los. Hoje o país tem uma boa noção do que foi esse esquema, mas há perguntas que ainda é preciso responder, e enquanto elas não tiverem resposta o trabalho da Lava Jato se fará necessário. Do contrário, corre-se o risco de fazer da operação mais uma obra inacabada como tantas outras que o Brasil se acostumou a ver.

E, se o futuro da Lava Jato segue incerto apesar da prorrogação, nem mesmo seu passado está a salvo – e talvez isso seja ainda mais preocupante que as perspectivas para a continuação da força-tarefa. Continua em curso no Supremo Tribunal Federal um processo que pode arruinar, na “menos pior” das hipóteses, boa parte dos resultados da operação – e, na pior, pode destruir completamente um trabalho de seis anos. Trata-se da suspeição do ex-ministro e ex-juiz federal Sergio Moro no caso em que o ex-presidente Lula foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro pelo tríplex do Guarujá. Na Segunda Turma, onde o processo está sendo julgado, já há dois votos contrários à suspeição, de Edson Fachin e Cármen Lúcia. Outros dois membros, Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski, já deixaram muito claro que votarão pela suspeição. O desempate caberia a Celso de Mello, que está para voltar de licença médica e se aposenta no fim do ano. Se Mendes recolocar o tema na pauta sem a presença do decano, bastariam dois votos para anular a condenação de Lula e criar um precedente que poderia levar a muitas outras anulações.

Diante de uma perspectiva tão grave, é tão preocupante quanto inexplicável o silêncio de amplos setores que até há pouco tempo estavam entre as principais vozes na crítica à roubalheira. Sob o manto de uma discussão formal ou técnica, esconde-se uma ameaça à Lava Jato maior que o circo do Intercept, maior que a Lei de Abuso de Autoridade, maior que o desmonte do pacote anticrime, maior que as condenações contra Deltan Dallagnol no CNMP. Bem sabemos que há alas do bolsonarismo – movimento que nasceu movido por uma profunda rejeição à ladroagem petista, entre outros fatores – ainda ressentidas com o que consideram uma saída desleal de Moro do governo, em abril deste ano. Mas o que está em jogo aqui vai muito além de uma posição “pró-Moro” ou “anti-Moro”: trata-se de sair em defesa não do ex-juiz e ex-ministro, mas da Lava Jato e do fim da impunidade para a quadrilha que saqueou o país por anos a fio. Neste momento em que o combate à corrupção pode sofrer um golpe mortal pelas mãos da suprema corte, calar é consentir.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]
Tudo sobre:

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • J

    João Martins Donizete

    ± 0 minutos

    Desta atual composição do STF não duvido de nada que se está ruim pode ainda piorar. E muito. Tem uma turma dita "garantistas" - sim - que garantem a total impunidade da alta cúpula do poder. Será porque? Por exemplo: o fato do Lula já possar de candidato é um indicativo que coisa boa não vem aí. Repito a pergunta: será porque? Se isso acontecer a credibilidade daquela corte por causa de uns, hoje já péssima, será rastejante. Nós merecemos isso?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • H

    Heinz Egon Landgraf

    ± 1 horas

    A reversão de decisões no STF e a limitação de prazo pelo PGR em relação à Lava Jato aoenas evidencia o fato de que existem agentes públicos de alto escalão protegendo seus corruptos de estimação.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Plinio

    ± 3 horas

    Promessas e folhas o vento leva.Vai ficar tudo igual pq o acordo entre eles é que prevalece.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.