i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
editorial

Reeleição é distração desnecessária

O Brasil precisa de alguém que governe com a liberdade para tomar as decisões difíceis que acompanham uma visão de longo prazo

  • PorGazeta do Povo
  • 02/08/2016 00:01

Os rumores de que o presidente interino Michel Temer já avalia as condições para disputar a reeleição acenderam um sinal de alerta sobre suas reais intenções no cargo. A informação, vinda do alto escalão e reforçada durante o fim de semana por uma declaração do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), é o contrário do que o país precisa: um governo interessado apenas na reconstrução da governabilidade e na estabilidade econômica e não em sua perpetuação no poder.

No último fim de semana, Temer teve de recorrer a uma nota oficial para reiterar que sua intenção é não concorrer à reeleição. A nota foi curta e lacônica, sem a veemência que se espera de um político que diz querer que o país seja pacificado.

A reeleição é o caminho errado para Temer. A situação do país é delicada e não há como desviar de reformas impreteríveis.

A impressão que fica é a de um balão de ensaio lançado por aliados para testar a ideia da reeleição de um governo que por ora é apenas interino. Estratégia que é frequentemente usada no mundo político e que combina com o que parecem ser vontades conflitantes de Temer. Ao mesmo tempo em que diz querer ser um estadista, deixa escapar sinais de que não descarta a reeleição – logo depois de assumir o cargo, por exemplo, ele disse em uma entrevista que a reeleição “de repente pode acontecer”. Um deslize que não se esperaria de um político tão experiente.

A opção pela reeleição, neste momento, não combina com a ambição de estadista. a reeleição é o caminho errado para Temer. A situação do país é delicada e não há como desviar de reformas impreteríveis.Flertar com a continuidade no poder significa abrir mão dessa liberdade em troca de medidas que elevem a popularidade, essencial para o sucesso nas urnas.

Por isso, a reeleição é o caminho errado para Temer. A situação do país é delicada e não há como desviar de reformas impreteríveis. O Brasil precisa de um novo modelo orçamentário, um conserto bem feito das regras previdenciárias e ajustes que o tornem mais produtivo. Nada disso se encaixa no calendário eleitoral, que sempre sacrifica reformas de longo prazo em troca de remendos populistas.

Temer tem de cumprir o papel de recuperar a vida política brasileira. Isso passa por apoiar de forma incondicional o combate à corrupção e pela construção de alianças baseadas nos interesses do país, e não nos apoios eleitorais. Só assim ele faria uma política melhor do que a sociedade viu nos últimos anos, quando o projeto de poder do PT tomou conta do Palácio do Planalto.

Sem pensar em reeleição, Temer também teria a chance de colocar na agenda uma reforma política real, que não poderia ser questionada por ter sido pensada em interesse da própria campanha. O assunto, importantíssimo para que a política volte a conversar com a sociedade, ainda não entrou da maneira adequada na agenda do governo interino e teria ainda menos chances de progredir se a reeleição fosse seu principal foco.

Dentro de algumas semanas, se o Senado confirmar o impeachment contra Dilma Rousseff, Temer terá mais uma chance de mostrar o que deseja entregar até 2018. Se deixar a porta da reeleição aberta, seja por intenções reais ou pela vaidade de ver seu nome alçado candidato, estará reduzindo suas chances de ter um papel de destaque na história do país.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.