Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Biden supera Obama e torna-se o candidato com mais votos na história dos Estados Unidos
Joe Biden, candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, conquistou votos suficientes no Colégio Eleitoral com as viradas na Geórgia e na Pensilvânia.| Foto: Jim Watson/AFP

Com os mais recentes resultados de dois estados-chave, Pensilvânia e Geórgia, o candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, está praticamente confirmado como o vencedor da eleição realizada neste início de novembro. O atual presidente, Donald Trump, vem se recusando a aceitar o resultado e alega a ocorrência de fraude na Pensilvânia e em outros dos chamados “swing states” – aqueles estados sem preferência partidária definida, e que acabam definindo o resultado final a cada quatro anos. O risco de judicialização da apuração é enorme, mas, a não ser que os republicanos consigam apresentar provas da alegada fraude, Trump se tornará o 13.º presidente norte-americano a não conseguir a reeleição – o quinto nos últimos 100 anos; o caso mais recente foi o do também republicano George H.W. Bush., que perdeu para Bill Clinton em 1992.

As eleições de meio de mandato (as chamadas midterms) de 2018 já haviam enviado um sinal de alerta à Casa Branca, quando Trump perdeu a maioria na Câmara de Representantes apesar dos ótimos resultados econômicos que vinha apresentando – incluindo taxas de desemprego que estavam entre as menores da história para negros e latinos. Mas a pandemia de Covid-19 tirou de Trump seu maior cabo eleitoral ao virar do avesso a economia mundial e apagar todas as conquistas. Ainda assim, é preciso registrar, em 2020 Trump conquistou fatia maior do voto negro e latino, dois grupos que, embora longe de serem homogêneos – há enorme diferença entre cubanos e venezuelanos da Flórida e os mexicanos das regiões fronteiriças do Texas e Arizona, por exemplo –, tradicionalmente tendem a votar nos democratas.

Não foram apenas os republicanos que se radicalizaram à direita com a ascensão de Trump; os democratas fizeram o mesmo movimento à esquerda

Além disso, a condução do combate à pandemia por Trump, que minimizou as consequências da doença e teve inúmeros atritos com seu assessor científico Anthony Fauci, também abalou sua imagem de líder capaz de conduzir o país em um momento complicado. Por fim, o medo do contágio aumentou o número de norte-americanos que votaram antecipadamente, pelo correio, método que o presidente desencorajou por temer as fraudes que agora alega. Não surpreende, portanto, que a maioria desses votos – cuja apuração ficou por último e que selaram as viradas que devem dar a vitória a Biden – seja favorável aos democratas, não aos republicanos.

Confirmada a vitória do democrata, o que esperar dos Estados Unidos de Joe Biden? Um aspecto que não se pode perder de vista é que não foram apenas os republicanos que se radicalizaram à direita com a ascensão de Trump; os democratas fizeram o mesmo movimento à esquerda. Biden foi uma escolha pragmática, por ser mais capaz de aglutinar o eleitorado de centro; em pesquisas feitas apenas com democratas durante as primárias, ele aparecia como o pré-candidato com mais chances de vencer Trump, mas as mesmas sondagens mostravam que os entrevistados se identificavam mais com o autoproclamado socialista Bernie Sanders. Uma vez escolhido para disputar a Casa Branca, Biden fez um aceno ao grupo mais radical escolhendo como vice a senadora Kamala Harris. A Câmara dos Representantes e assembleias estaduais terão mais parlamentares alinhados à ala esquerda dos democratas, que tem como principais representantes as deputadas Alexandria Ocasio-Cortez, Ilhan Omar, Rashida Tlaib e Ayanna Pressley.

Isso significa que, enquanto Trump fez (e continua fazendo) o possível e o impossível para esgarçar perigosamente a democracia norte-americana, demonizando instituições, a liberdade de imprensa e, agora, o processo eleitoral, Biden e Harris podem fazer o mesmo no campo dos valores. A julgar por seu plano de governo, as políticas identitárias, que se tornaram o principal cavalo de batalha democrata, terão preferência inclusive sobre garantias constitucionais como a liberdade de crença e o direito à objeção de consciência.

Em comparação com Trump, Biden certamente tem mais equilíbrio, serenidade, as qualidades que fazem de uma pessoa “presidenciável” – na expressão usada pelos norte-americanos, “fit for presidency”. Mas os Estados Unidos já viram como uma postura mais agradável e simpática pode esconder um afã persecutório, como no caso em que o IRS – o equivalente norte-americano da Receita Federal – foi usado para investir contra organizações conservadoras durante o governo Barack Obama. Se o plano de governo de Biden e Harris realmente for colocado em prática, resta a esperança de que o Judiciário possa agir em defesa das liberdades individuais e da consciência de seus cidadãos – e, por mais que se possa apontar a contradição na maneira como os republicanos do Senado aprovaram rapidamente o nome de Amy Coney Barrett para a Suprema Corte, é inegável que um legado positivo de Trump nesses quatro anos esteve nas três indicações que fez para a corte.

Em resumo, os norte-americanos estavam diante de uma escolha de Sofia: de um lado, manter na Casa Branca um presidente sem o menor apreço pela democracia e pelas instituições cuja solidez fez dos Estados Unidos uma das poucas nações a jamais ter vivido períodos autoritários; do outro, levar ao poder um grupo cada vez mais radicalizado à esquerda e que tende a minar liberdades básicas garantidas ao cidadão norte-americano em nome de políticas identitárias. Em ambos os casos, e independentemente do desfecho do pleito, com ou sem judicialização, aprofunda-se a divisão entre compatriotas, o “nós contra eles” tão conhecido no Brasil, mudando apenas as linhas sobre as quais se dá essa divisão.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]