Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

A diferença de visualização entre veículos que vêm em sentido contrário com e sem luz baixa acesa é impressionante, principalmente nas rodovias (Gazeta, 30/6). Já deveria ter se tornado obrigatória a utilização das luzes acesas. Mas não adianta obrigar sem ensinar. O governo deveria fazer campanhas ensinando a diferença entre luz baixa e a luz de estacionamento, pois grande parte dos motoristas que acendem os faróis utiliza esta segunda opção e de nada adianta.

Francisco Schuchovski

Farol aceso 2

Se for criada uma lei que obriga a andar com os faróis acesos, ela será apenas para inglês ver. É comum em Curitiba motoristas falando no celular, motos com farol desligado, motoristas saindo embriagados dos bares, e quem fiscaliza? Quem pune? Diretran e BPTran estão falidos e sem interesse! Não? Como se explica toda essa impunidade diariamente?

Jhosé Lima

Farol aceso 3

A reportagem sobre faróis acesos foi uma feliz coincidência. Quinze dias atrás em viagem até Jaraguá do Sul com tempo nublado percebi como era muita mais fácil visualizar os veículos que vinham no sentido contrário quando estavam com os faróis acesos. Ao voltar para Curitiba resolvi escrever um e-mail para o Denatran sugerindo alterações no CTB para incluir essa obrigação, pelo menos, quando os veículos trafegarem por rodovias. Essa obrigação existe em países vizinhos ao nosso, como Uruguai e Argentina, e quem for pego sem estar com faróis acesos é multado.

Rodrigo Tocunduva, empresário

Educação

Certamente que o salário de professores é só a ponta do iceberg dos problemas educacionais, porém destacar que igualando os salários dos professores com profissionais de mesma graduação, levando em consideração o salário hora, os professores têm uma jornada mais curta, é uma metáfora irreal. Além do horário cumprido na escola, existem os cursos realizados em fins de semana, o preparo de materiais para aulas, as correções, as pesquisas. O profissional da educação tem altas jornadas.

Alcionê Borges de Macedo Mali

País sem miséria

O slogan publicitário do governo federal "País rico é país sem miséria", que inclui um projeto para erradicar a pobreza extrema no país, deveria mudar para "País rico é país sem analfabetos". Aí quem sabe fosse mais fácil eliminar essa chaga nacional que a propaganda oficial teima em esconder. O único problema para o governo seria que se fôssemos um país sem analfabetos, sem dúvida o PT e o PMDB não teriam futuro.

Sandro Ferreira, Ponta Grossa – PR

Emendas parlamentares

As emendas parlamentares deveriam ser extintas, dessa forma acabariam os conchavos, o que deixaria que o Executivo trabalhassee sem pressão, sem cobrança, sem retribuição. Também acabaríamos com parte da corrupção e das benesses.

Jorge Jacob

Supersalários

Sabemos que a nossa Justiça demora anos para resolver qualquer assunto e só pensa em punir os culpados muito eventualmente. Assim quem vive à custa de uma benesse com o dinheiro público pouco se preocupa se está ou não fazendo alguma coisa errada!

Marcos de Luca Rothen

Produtividade

A relação custo-benefício dos deputados é lastimável. Se trabalhassem em uma empresa privada, estariam todos demitidos por incompetência.

Jarbas Yurasseck Junior

Médicos x planos de saúde 1

Acho muito justo esse movimento dos médicos por melhores remunerações. O motivo central dessa mobilização é o descaso com o serviço prestado. Os médicos estão cansados de serem continuamente desvalorizados e mal-remunerados enquanto tudo que os cercam sofre pelo menos o aumento da inflação anual. Como se mesmo depois de estudar tanto e lutar tanto para chegar aonde chegaram terem de atender seus pacientes e não receber honestamente por isso como se caridade fosse obrigação. Temos de ter em mente que os vilões dessa história são as operadoras de saúde que cada vez mais enriquecem e oferecem cada vez menos bons serviços aos seus clientes.

Larissa Salles Ottobon

Médicos x planos de saúde 2

Não consigo entender! A AMP tem um convênio chamado Sinam, portanto por que não melhorá-lo de forma a criar um plano contínuo e com custos acessíveis? Se a Unimed é uma cooperativa de médicos, então, o sentido de cooperativismos foi por água abaixo há muito tempo. Daqui a um tempo teremos de nos tratar em outros países.

Mauro Majczak

Médicos x planos de saúde 3

Se há intransigência e falta de dialogo é por parte dos planos de saúde, que desvalorizam o honroso trabalho dos médicos. Não deixam outra alternativa à categoria.

João Carlos Simões

Cidadania

Ética e patriotismo deveriam ser o básico para os nossos representantes políticos, afinal política significa civilidade, e civilidade significa observação das conveniências, das boas maneiras em sociedade, cortesia, urbanidade, polidez. Coisas que raramente encontraremos em um representante do povo. Fala-se muitas vezes que o povo tem de escolher melhor seus representantes, mas nem sempre é fácil, já que eles sempre serão os mesmos. Por que não voltar às aulas de cidadania, cantar o Hino Nacional durante o hasteamento da Bandeira? Quem sabe nossas crianças não cresçam com esse espírito patriota e ético? Afinal, deles será o futuro deste país ou o que restar dele.

Claudecir Uhdre

Santiago

Acabei de chegar de Santiago, onde passei 10 dias. A cidade é realmente linda e hospitaleira. No entanto, uma coisa me deixou profundamente triste e decepcionada: o descaso dos chilenos com os cachorros. A cada quadra por onde você anda, são dezenas de animais dormindo no chão, abandonados, com os olhos tristes e implorando por um pouco de alimento e carinho. É um absurdo o que esse país (digo país porque passei por outras cidades e encontrei a mesma situação) faz com esses bichinhos.

Gabriela Fagundes Gonçalves

Coritiba

Parabenizo a diretoria do Coritiba pela reforma realizada no alojamento da categoria de base. Só tenho um ponto a acrescentar: que haja ali também espaço para estudos e leituras. A educação é fundamental na formação de um atleta, e os clubes têm um fundamental papel no desenvolvimento do jovem.

Roderlei Magalhães Gonçalves

* * * * * *

As mensagens devem ser enviadas à Redação com identificação do autor, endereço e telefone. Em razão de espaço ou compreensão, os textos podem ser resumidos ou editados. O jornal se reserva, ainda, o direito de publicar ou não as colaborações. Rua Pedro Ivo, 459 - Centro • Curitiba, PR - CEP 80010-020 • Tel.: (41) 3321-5000 - Fax: (41) 3321-5472.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]