i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Obituário

Augusto Cesar de Camargo Fayet: plantou conhecimento, colheu frutas, flores e amigos

  • PorMarcela Mendes
  • 07/06/2020 07:00
Economista Augusto Cesar de Camargo Fayet
Economista Augusto Cesar de Camargo Fayet| Foto: Arquivo da família

Augusto Cesar de Camargo Fayet nasceu em 26 de setembro de 1942 e fincou suas raízes em Curitiba, mas não demorou a perceber que o mundo era pequeno para ele. Passou a infância e adolescência no coração da cidade, em uma casa na Rua Dr. Pedrosa. Ao longo da vida, buscou as mais diversas áreas do conhecimento e foi incansável ao espalhar o que descobriu por onde passou – e passou por muitos lugares. Faleceu aos 77 anos no dia 25 de maio.

RECEBA notícias do Paraná pelo WhatsApp

Na universidade, não se contentou com apenas um diploma. Formou-se em Economia na Universidade Federal do Paraná e em Direito na Faculdade Curitiba. Chamado carinhosamente de Pretinho, ele ainda buscou o mestrado em Engenharia Florestal. Não conseguiu deixar os corredores das universidades e contribuiu, durante 24 anos, para a formação de centenas de estudantes como professor no Departamento de Economia da UFPR, dando aula para diversos cursos como Economia, Ciências Sociais, Arquitetura e Engenharia. Também lecionou na Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

Espalhou seu conhecimento pelos diversos órgãos em que atuou: IPPUC, Ipardes, Secretaria de Planejamento do Estado da Bahia, no Instituto de Estudos da Amazônicos e no Ministério do Meio Ambiente, entre outros. Um destaque profissional foi trabalhar para a FAO – Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura. Além disso, nunca esqueceu a oportunidade de, no México, conhecer a cultura dos Maias e Astecas. Nem tudo foi alegria: como vice-presidente do Instituto de Estudos Amazônicos, foi ele quem comunicou a morte de Chico Mendes para toda a imprensa nacional e internacional.

“Ele sempre demonstrou a importância do conhecimento diversificado, articulado com a realidade objetiva das coisas e acontecimentos. Na sua atuação profissional atuava na linha de frente, entendendo o que estava acontecendo e compreendendo a realidade para a devida aplicação das técnicas e ciência adequadas à situação específica”, definem os filhos Rafael e Eduardo.

O hábito de leitura foi muito além da vida acadêmica. Era um leitor contumaz de livros, revistas e periódicos das mais diversas áreas, como política, gestão, natureza, cozinha, artes...

Casou-se três vezes e da primeira esposa, Elyane, vieram os dois filhos, Eduardo e Rafael. Com a segunda esposa, Rosângela ou Preta, compartilhou, entre outras coisas, o apelido. Em 2002, construiu uma casa em Penha, Santa Catarina, onde hoje mais de 100 pessoas formam uma comunidade que compartilha o espaço. Lá conviveu com sua terceira esposa, Lygia. Fayet também escolheu permanecer ali para a eternidade – é onde suas cinzas ficarão.

Enxertos e experimentos

A matéria-prima do papel também se tornou seu hobby preferido. Fayet gostava de mexer com madeira, fazendo trabalhos de carpintaria. Tinha em casa uma oficina completa de ferramentas e equipamentos para a produção de mesas, prateleiras, bancos e outros móveis. Também era um apaixonado pela natureza e buscava estar perto dela, de preferência no quintal de casa. Cultivou plantas, verduras e, em especial, frutas das quais fazia enxertia e adaptava às condições de solo e clima. As flores que adorava eram as orquídeas, de diversas cores e tamanhos.

Em uma altura da vida, consequência da paixão pela natureza, passou a gostar de cozinhar e ganhou fama entre os amigos, especialmente por aproveitar as oportunidades para reuni-los. Buscava receitas diferentes, de sua família, de amigos e de culturas diversas. Na Bahia, aprendeu a cozinhar a comida típica e a utilizar e saborear as pimentas, em especial as mais fortes.

Dos parentes e amigos recebia os maiores elogios. Ressaltam suas qualidades: ouvinte, amoroso, generoso e sedutor.“Era gente da gente”, relatou o feirante que sentiu falta de Fayet após seu falecimento. Deixa dois filhos e dois netos.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • M

    Murilo Gimenez Salustiano

    ± 0 minutos

    Professor de Economia muita querido por todos. Conheci no final dos anos 80 quando lá estudei!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso