Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
veículos / carros
Edital para serviço de gravame do financiamento de automóveis é alvo de investigação do MP-PR.| Foto: Aniele Nascimento/Arquivo/Gazeta do Povo

Documentos levantados pelo Ministério Público sugerem que a diretora de uma empresa que participava de processo de credenciamento no Detran do Paraná teve acesso antecipado ao edital e sugeriu mudanças no documento que define as regras do procedimento.

RECEBA notícias do Paraná pelo WhatsApp

De acordo com os promotores do MP, Raquel Cardoso, então diretora da empresa Infosolo, teria recebido por e-mail a minuta do edital e sugerido alterações que beneficiariam a empresa, determinando, inclusive, o preço a ser pago pelo serviço.

A Infosolo já é investigada desde o ano passado pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), na Operação Taxa Alta. A ação apura fraudes no gravame, cadastro que os automóveis financiados devem ter no Detran e que é feito por intermédio de empresas, como a Infosolo.

A primeira fase da operação ocorreu em novembro de 2019, mirando servidores comissionados que trabalharam no credenciamento das empresas interessadas em intermediar o gravame. À época, também foi preso o ex-diretor do Detran-PR, Marcelo Panizzi, que estava à frente do órgão no período da suposta fraude.

Na ocasião, também foram apreendidos computadores e telefones celulares. Com base nas provas coletadas nestes aparelhos, o Gaeco pediu a quebra do sigilo de dados de diversos investigados, entre eles, de Raquel. Segundo o Gaeco, as investigações continuam e ainda não há previsão de quando será formalizada uma denúncia à justiça.

Na última sexta-feira, o Ministério Público cumpriu seis mandados de busca e apreensão em residências em Brasília como parte da Operação Taxa Alta.

O que dizem os envolvidos

O Detran não quis se pronunciar sobre o caso.

A defesa de Raquel Cardoso afirma que ela está à disposição do Ministério Público para prestar esclarecimentos, e que jamais participou de ações relativas a sobretaxas para registros cobrados no estado do Paraná.

A Infosolo afirmou que Raquel Cardoso não ocupa mais nenhum cargo na empresa. Por meio de nota, a defesa afirmou que a empresa está à disposição do MP desde o início das investigações e que irá se pronunciar sobre detalhes somente nos autos do processo. A defesa afirmou ainda que “não existe sobre preço nas taxas de registro cobradas no estado do Paraná e que não existe dinheiro público envolvido na operação”.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]