i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Agronegócio

Por que o Paraná, celeiro de grãos no Brasil, praticamente não produz arroz?

  • 22/09/2020 20:28
Arroz é uma das poucas culturas agrícolas em que o Paraná não é autossuficiente
Arroz é uma das poucas culturas agrícolas em que o Paraná não é autossuficiente| Foto: Sebastião José de Araújo / Embrapa

O Paraná não deve ter grandes alterações nas áreas de plantio de arroz, mesmo depois de uma valorização recorde que colocou o grão novamente na mira de produtores. Após a commodity ter alcançado preço recorde de saca (vendida a mais de R$ 100), movimento causado pela combinação de câmbio favorável para a exportação e alta no consumo doméstico interno, alguns estados já flertam com um aumento na área dedicada à cultura. O que não deve ocorrer no Paraná, que há algumas décadas relegou o grão a segundo plano.

RECEBA notícias do Paraná em seu WhatsApp

Tradicional produtor de outros grãos (especialmente soja e milho) e fortíssimo na agroindústria de proteína animal (avícola e suína, sobretudo), o estado curiosamente não é expressivo no alimento mais básico da cozinha brasileira. Como explica o economista Methodio Groxko, do Departamento de Economia Rural da Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento (Seab), as áreas de plantio de arroz em solo paranaense foram desaparecendo na mesma medida em que as lavouras de café cederam espaço ao plantio de soja.

O grande motivo é a peculiaridade do cultivo. Existem dois plantios do grão: o irrigado e o de sequeiro. O primeiro deles usa áreas de várzeas para a plantação. A lâmina de água favorece o desenvolvimento do alimento. O segundo, como sugere o nome, é feito em terras mais altas e secas. “O arroz irrigado produz muito mais do que o sequeiro, que está muito exposto à quebra por estiagem”, explica Groxko.

Historicamente, no entanto, o Paraná nunca foi forte em áreas irrigadas e, por isso, aproveitava a entressafra do café para plantar o segundo tipo, o arroz de sequeiro. Na segunda metade do século passado, os cafeicultures passaram a trocar de cultura atrás de mais rentabilidade e liquidez. As lavouras de café que dominavam a região Norte e Noroeste do Paraná cederam espaço ao milho e à soja. Consequentemente, o arroz também ficou para trás.

Algumas poucas áreas no estado, que optaram pelo modelo de plantio irrigado, seguem produzindo o grão. Mas, hoje, diz o economista, os menos de 20 mil hectares de plantações no Paraná não são suficientes para abastecer sequer um terço de nosso consumo (são cerca de 140 mil toneladas/ano). Para comparar, a soja ocupa cerca de 5,5 milhões de hectares.

E de onde vem o restante do arroz consumido pelos paranaenses? Justamente dos vizinhos de região, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Com muito mais hectares de várzeas, os gaúchos produzem uma média de 70% das 12 milhões de toneladas colhidas no Brasil (em condições normais, como destaca o economista do Deral).

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • G

    gerson

    ± 4 dias

    Roraima produzia muito arroz, mas resolveram fazer tudo virar reserva indígena e expulsaram os produtores, como arroz não dá em arvore (kkk), agora paga e não reclama.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Sr. Walker

    ± 4 dias

    A polacada não gosta de trabalhar no banhado. Dá muito resfriado.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • M

      Maquiavel

      ± 3 dias

      Armando: te garanto que é um povo muito trabalhador!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • A

      Armando

      ± 4 dias

      E polaco produz alguma coisa?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.