i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Balanço

Ampla base aliada na Assembleia minimizou desgastes de Ratinho Junior em 2019

  • Por Catarina Scortecci
  • 22/12/2019 07:00
Governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD)
Governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD)| Foto: Rodrigo Felix Leal/AEN

Depois do tumultuado mandato do tucano Beto Richa, 2019 foi a estreia de Carlos Massa Ratinho Junior (PSD) na principal cadeira do Palácio Iguaçu. Terminou dezembro com mais de 70% de aprovação dos curitibanos, algo parecido com o número registrado no início do ano, nos levantamentos da Paraná Pesquisas. Ao longo do ano, encabeçou medidas de apelo simbólico – do congelamento do próprio salário (em R$ 33.763,00) ao fim da “aposentadoria” dos futuros ex-governadores do Paraná.

Mas Ratinho Junior enfrentou desgastes, que só não ganharam corpo em função da confortável base aliada que detém na Assembleia Legislativa: houve conflitos com servidores públicos – da negociação do reajuste salarial até as mudanças na aposentadoria – e tropeços na condução da propagandeada reforma administrativa.

Relação tensa com servidores públicos

A relação com os servidores públicos ficou estremecida logo no primeiro semestre, quando se iniciaram as negociações pelo reajuste salarial. Desde o início do ano, Ratinho Junior alegava que, para manter o caixa equilibrado, a atualização das remunerações podia não sair. Mas houve pressão. E a gestão que acabava de assumir sentiu o impacto do primeiro protesto encabeçado pela APP, o sindicato dos trabalhadores da área de educação. A categoria voltou às ruas para lembrar o “29 de abril”, uma das marcas da gestão Beto Richa, da qual Ratinho Junior fez parte.

A partir daí, o governador admitiu formar um grupo com representantes de servidores para discutir a questão salarial – ao final, a Assembleia Legislativa aprovou uma reposição salarial de 5,08%, mas de forma parcelada, até 2022.

Outro embate com servidores públicos surgiria na sequência, no segundo semestre, quando o governo estadual propôs o fim da “licença-prêmio” – aquela folga de três meses a cada cinco anos trabalhados. O projeto de lei complementar prevendo o fim do benefício foi aprovado pela Assembleia Legislativa – para amenizar as críticas, acrescentou-se a possibilidade de uma “licença-capacitação” para os atuais servidores públicos, como uma espécie de transição; para aqueles que futuramente ingressarem no Poder Executivo, nenhum benefício.

Não foi o último embate de 2019: uma proposta de reforma da previdência para os servidores públicos estaduais, na linha do que o Congresso Nacional tinha aprovado ao funcionalismo federal, foi enviada pela gestão Ratinho Junior à Assembleia Legislativa no mês de novembro e acabou aprovada pelos aliados menos de um mês depois. Para a oposição, os trâmites não foram respeitados.

O episódio mais emblemático ocorreu quando manifestantes invadiram a Assembleia Legislativa para cobrar a retirada do “pacote da aposentadoria” – dois projetos de lei e uma proposta de emenda constitucional (PEC). Aliado de Ratinho Junior e presidente da Casa, Ademar Traiano (PSDB) optou por transferir a sessão plenária para a Ópera de Arame, um local longe dos manifestantes. Naquele dia, apelou-se para o “regime de urgência” – instrumento que permitiu que a PEC fosse aprovada já em dois turnos de votação, sem o intervalo de cinco sessões entre uma deliberação e outra.

A oposição, e também sindicatos ligados a servidores públicos, apelaram para o Judiciário, contestando a velocidade da tramitação dos textos, mas ainda não há um desfecho. Ao longo do ano, a oposição na Assembleia Legislativa permaneceu miúda, e cerca de dez dos 54 deputados estaduais figuraram na bancada liderada pelo petista Tadeu Veneri.

Honorários advocatícios vira assunto para o STF

Uma categoria menos numerosa entre os servidores públicos também bateu de frente com medidas da gestão Ratinho Junior. Ainda no primeiro semestre do ano, o governo do Paraná pediu – e a Assembleia Legislativa aprovou - a redução do percentual de honorários advocatícios dos Procuradores do Estado do Paraná que atuavam no âmbito do Refis 2019, o programa que permite que devedores tributários paguem suas dívidas com descontos. O empresariado gostou da medida, mas o caso agora está nas mãos do Supremo Tribunal Federal (STF).

Originalmente, o projeto de lei de autoria do Executivo definia que os empresários que aderissem ao programa de refinanciamento também deveriam pagar 5% da sua dívida para os procuradores do Estado, a título de honorários advocatícios. Na Assembleia Legislativa, o valor acabou reduzido para 2%. Já os procuradores do Estado, com base no Código de Processo Civil, tinham calculado uma fatia de até 10% e não gostaram da alteração aprovada.

A partir da sanção da lei, a Associação Nacional dos Procuradores dos Estados e do Distrito Federal (Anape) entrou no STF com uma ação direta de inconstitucionalidade e ainda aguarda um desfecho.

Recuo com Judiciário e MP

Já na primeira peça orçamentária elaborada para o ano de 2020, o governo do Paraná arriscou desenhar um corte nas fatias destinadas aos demais poderes. Dois trechos do anteprojeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) afetavam o volume de dinheiro reservado para o Judiciário, para o Legislativo e para o Ministério Público (MP): a exclusão do Fundo de Participação dos Estados (FPE) no cálculo da divisão; e a redução de um ponto porcentual da fatia das vinculações – de 18,6% para 17,6%. As duas alterações, na estimativa do governo estadual, representariam cerca de R$ 500 milhões a mais por ano para os cofres do Executivo.

Mas houve resistência, especialmente da parte do Tribunal de Justiça e do MP. “Ele mandou a LDO sem conversar com a gente", disparou o presidente do TJ, desembargador Adalberto Jorge Xisto Pereira, em relação a Ratinho Junior. "Se for deste jeito, tem que fechar o TJ", acrescentou ele na época, ao avaliar o impacto da medida para os cofres do Judiciário. Na ocasião, o MP preferiu não falar com a imprensa sobre o tema, mas, na Assembleia Legislativa, atuou nos bastidores para manter as fatias em vigor.

A partir daí, a gestão Ratinho Junior recuou. Na Assembleia Legislativa, aliados ainda conseguiram inserir na LDO a transferência de determinadas despesas da conta do Executivo para o TJ e para o MP, mas a divisão geral do bolo permaneceu a mesma, e o FPE também continuou sendo considerado no cálculo.

Reforma administrativa com percalços

Se por um lado a ampla base aliada na Assembleia Legislativa não foi suficiente para alterar a divisão do bolo orçamentário, por outro lado a bancada da situação foi crucial para que Ratinho Junior concluísse a reforma administrativa propagandeada por ele ainda antes da sua posse no Palácio Iguaçu. Dividida em etapas, o texto da reforma administrativa sofreu percalços.

O primeiro texto da reforma administrativa enviada à Assembleia Legislativa chegou com falhas. Acabou voltando para a Casa Civil, onde passou por ajustes. Nisso, o projeto de lei já estava sendo contestado no Legislativo: Arilson Chiorato (PT) apontou “plágio” no estudo da Fundação Dom Cabral, que serviu de base para a elaboração do projeto de lei da reforma administrativa; outro parlamentar – Soldado Fruet (Pros) – chamava a atenção para o aumento de despesas com cargos, na contramão do que estava sendo anunciado pelo governo estadual, de economia de aproximadamente R$ 10 milhões por ano.

No fim, o projeto de lei com contornos de “pontapé” da gestão Ratinho Junior (de maneira geral, reduziu de 20 para 15 o número de pastas e também cortou oito cargos de secretários especiais) acabou aprovado somente em abril.

A etapa final da reforma administrativa foi concluída só em dezembro, nos últimos dias de trabalho da Assembleia Legislativa. Mas o discurso inicial de enxugamento da máquina pública não foi sustentado até o fim: nos dois projetos de lei finais houve criação de cargos e gratificações.

Um dos textos autorizou a união de quatro autarquias - o Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), o Centro Paranaense de Referência em Agroecologia (CPRA), a Companhia de Desenvolvimento Agropecuário do Paraná (Codapar) e o Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (Iapar). No mesmo projeto de lei, foi incluída a criação de 45 “funções de gestão pública” na estrutura da Casa Civil.

O outro projeto de lei extinguiu o Instituto das Águas do Paraná (Aguasparaná) e o Instituto de Terras, Cartografia e Geologia do Paraná (ITCG). As atribuições deles passaram para o Instituto Ambiental do Paraná (IAP), que, por sua vez, passou a se chamar “Instituto Água e Terra” (IAT). No mesmo texto, fica autorizada a criação de mais 25 cargos de confiança ao IAT, com impacto de R$ 254.141,81 por mês.

16 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 16 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • S

    Sr. Walker

    ± 0 minutos

    Governadorzinho fake, a base de trocas vultuosas conquistou a assembléia, e imprensa sempre está no bolso dos governantes da vez, pouco importa o partido ou a ideologia seguida. Deu dinheiro para colocar asfalto novo em muitas ruas de bairros melhorzinhos, pronto: aceitação dele foi lá prá cima. Mas é só isso, serão quatro anos de papagaiada e nada de concreto.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • X

      Xicote

      ± 14 horas

      Dificil para um cara sem qualquer experiencia administrativa .....

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • A

        ALCIONE PRA

        ± 21 horas

        PORCO ***! TEU PAI UM PALHAÇO E SUA MÃE NA ZONA COMO CAFETINA DA SUA MULHER E FILHA CADELAS!

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • A

          ALCIONE PRA

          ± 3 dias

          Porco ***, bando de ratazanas, força é pouco pra esse *******e governador!

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • D

            delvaloil de frança costa

            ± 3 dias

            Precisa vir a público o que a chamada maioria formada por quase quarenta De****dos ganham para sempre estarem a favor do governo. Não é possível que apenas sigla partidária seja motivo para defender o governo com tanto afinco. Esses quase quarenta Deputados deixam de lado, caráter, consciência honradez honestidade e votam o que o governo quer, mesmo que prejudique o Estado a população só por que fazem parte das siglas partidária que apoiam o governo. Não venham eles querer dizer que a sigla partidária fala mais alto que a honestidade a consciência de cada parlamentar.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            1 Respostas
            • W

              WASHINGTON LUIZ ESPINOSA

              ± 3 dias

              Excelente comentário !

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

          • C

            CARLOS RF

            ± 3 dias

            Não há almoço de graça, já dizia o ex Diretor da Petrobrás, Paulo Roberto Costa. A ampla base aliada deve estar de barriga cheia!

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • ██

              ± 3 dias

              Curitiba não representa o parana.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • M

                Maquiavel

                ± 4 dias

                Quando é que o governador vai começar a governar??

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                1 Respostas
                • M

                  Maquiavel

                  ± 4 dias

                  https://www.plural.jor.br/noticias/poder/ratinho-junior-passou-13-do-primeiro-ano-de-governo-fora-do-pais/

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

              • P

                Pensatore

                ± 4 dias

                Governo Ratinho bate recorde em criação de cargos comissionados. Contando com apoio cego de de****dos subservientes, fecha o ano com a cara de pau de aprovarem em uma lei de junção de autarquias com um “jabuti” para a criação de mais 45 super cargos comissionados, que vão sentar nas cadeiras almofadadas do Palácio Iguaçu. Isso muito longe das autarquias. O discurso da lei era economizar mas parece que debaixo dos panos vai sair mais caro.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                1 Respostas
                • S

                  Sr. Walker

                  ± 3 dias

                  Caso único no mundo, juntar empresas e em contraposição criar cargos caríssimos, nem na Rússia, nem na China, nem na Coréia do Norte isso seria possível. Mas aqui no Paraná é normal. Vergonha vergonhosa. Pequeno rato totalmente despreparado para o cargo que ocupa

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

              • P

                Pensatore

                ± 4 dias

                Governo Ratinho é isso. Pior primeiro ano de gestão no Paraná de todos os Governadores que já passaram pelo Palácio Iguaçu. Cria centenas de Cargos Comissionados para acomodar apadrinhados políticos. Corta o serviço de envio de documento do IPVA ao cidadão, que terá que correr atrás da papelada. Faz um ano que tenta cancelar o valor abusivo da terceirização das vistorias mas os comissionados não dão conta da tarefa. E agora, não consegue entregar as carteiras de motoristas.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • R

                  Rubens Marques Farias

                  ± 4 dias

                  A política paranaense é tão medíocre que quem quer que seja o governador sempre terá maioria, pois o que querem esses de****dos estaduais é continuar na mamata.

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  Fim dos comentários.