Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Aplicativo Aula Paraná.
Aplicativo Aula Paraná.| Foto: Geraldo Bubniak/AEN

Na semana passada, Rio Grande do Sul e Santa Catarina anunciaram os planos para retomada gradativa das aulas presenciais de cursos livres, educação básica e superior, em um calendário que vai de junho a setembro, de acordo com a evolução da disseminação do coronavírus em seus territórios. O Paraná, que em relação aos óbitos por Covid-19 está em situação epidemiológica semelhante aos demais estados do Sul, ainda não divulgou nenhum planejamento, nem tem prazo previsto para isso.

RECEBA notícias do Paraná pelo WhatsApp

Pelos boletins oficiais de cada estado disponíveis até as 18 horas desta quinta-feira (4), Rio Grande do Sul (RS) tinha 11.010 casos confirmados de Covid-19; Santa Catarina (SC), 10.034; e Paraná (PR), 5.820. Esses dados, porém, não refletem a realidade da situação epidemiológica, pela diferença no número de testes realizados. Nesse sentido, o número de óbitos permite uma melhor comparação: RS tem 265 mortes; SC, 152; e PR, 215. A letalidade por 1 milhão de habitantes é de 24 no RS; 21 em SC; e de 18 no PR. No Brasil, esse número está em 155 mortes por milhão de habitantes.

A pandemia provocada pelo coronavírus impactou o sistema educacional de quase todos os países. No Brasil, alguns estados fizeram o fechamento antes, mas a partir de 23 de março todas as escolas estavam fechadas. No início de abril, o governo do Paraná foi um dos primeiros no Brasil a fornecer ensino remoto aos alunos da rede estadual, por meio de vídeos on-line, por canais de televisão aberta e impressão de atividades. Mas, pelos variados obstáculos enfrentados por alunos para acompanhar o conteúdo, o Conselho Permanente de Direitos Humanos do Paraná (Coped) recomendou a suspensão e reorganização do ano letivo de 2020, em ofício encaminhado em 28 de maio à Secretaria de Estado da Educação e do Esporte (Seed), reiterando a necessidade de medidas de enfrentamento à pandemia da Covid-19.

Logo no início do isolamento social, as escolas privadas do Paraná passaram a ofertar o ensino a distância, para o qual se dizem bastante adaptadas. Mas, no caso delas, há outro tipo de dificuldade. O Sindicato das Escolas Particulares do Paraná (Sinepe) protocolou junto ao governo do estado e em diversas prefeituras o pedido para retorno gradativo das atividades a partir de 22 de junho, com opção de manter o ensino remoto a quem preferir e/ou estiver enquadrado em grupo de risco. Muitas escolas já se organizaram para medidas de higienização e controle sanitário dos alunos e profissionais. Entretanto, a Secretaria Estadual da Saúde (Sesa) afirmou que “muito pelo contrário, a posição é de recomendação para o não funcionamento”.

Segundo o Sinepe/PR, o retorno poderia auxiliar pais que voltaram a trabalhar fora e estão tendo que deixar seus filhos com “crecheiras”, mulheres que cuidam de várias crianças ao mesmo tempo. Além disso, há preocupação de pequenas escolas quebrarem e isso gerar uma demanda excessiva para a rede pública. Em meio à crise econômica, muitas escolas particulares estão perdendo alunos.

A nível federal, ainda não há nenhum planejamento a respeito do retorno das aulas. O Projeto de Lei nº 2.949/20 protocolado em 28 de maio na Câmara Federal pretende criar um protocolo único nacional, mas ainda não entrou no radar das prioridades dos parlamentares. Em países que já iniciaram a reabertura, como França, Austrália e Uruguai, os respectivos governos nacionais exprimem a preocupação em manter as crianças fora da escola por longos períodos, mesmo sem uma solução definitiva para a transmissão da Covid-19. Veja como estão alguns planos de retomada presencial das aulas:

Rio Grande do Sul

O Rio Grande do Sul adotou uma outra estratégia na área educacional, e só agora em 1º de junho passou a oferta aulas on-line para a rede pública, a chamada primeira etapa da retomada. A ferramenta utilizada é a mesma que a do Paraná, o Google Classroom, mas com criação de 37 mil salas de aulas virtuais, transportando a realidade de cada turma, em vez de uma transmissão de conteúdo em conjunto para todos os alunos de determinada série.

No dia 27 de maio, o governo gaúcho divulgou que a segunda etapa ocorre a partir de 15 de junho, com atividades presenciais de turmas do ensino superior, pós-graduação e ensino técnico que precisem utilizar laboratórios para conclusão de cursos – é algo semelhante ao que a PUCPR está fazendo em proporção bem menor. No RS, cerca de 41 mil alunos retornarão nesta fase. Foi proposto um revezamento de 50% das turmas a cada horário, mantidas as atuais condições epidemiológicas. Os cursos livres também funcionarão assim. Caso haja piora nos indicadores – sinalizado por um sistema de bandeiras coloridas – a lotação máxima será de 25% no ensino superior e técnico, com vedação de atividade para cursos livres.

Ainda não há detalhamento das regras de funcionamento da educação básica, mas o governo do RS anunciou que a etapa 3 será anunciada em 15 de junho para retomada em 1º de julho; a etapa 4, anúncio em 1º de julho para retomada em 3 de agosto; etapa 5, anúncio em 3 de agosto para retomada em 1º de setembro.

Santa Catarina

O governo de Santa Catarina afirma que toma todas as decisões baseadas em critérios técnicos e científicos amparadas pelo Centro de Operações de Emergência em Saúde. Em 25 de maio, uma portaria autorizou o retorno presencial de cursos livres para maiores de 14 anos, respeitando medidas de prevenção e distanciamento, e mantendo o trabalho remoto de profissionais enquadrados em grupos de risco.

Em 1º de junho, outro decreto reiterou que as aulas presenciais da educação básica, ensino técnico e ensino superior continuam suspensas até 2 de agosto. Mas as atividades presenciais em estágios obrigatórios e aulas práticas em laboratórios de cursos superiores estão permitidas a partir da próxima segunda-feira (8). E há a possibilidade de o ensino superior retornar em julho, dependendo da situação regional onde está localizada cada instituição – a decisão será tomada em conjunto por estado e municípios.

Paraná

Em nota enviada à Gazeta do Povo, o governo do Paraná informou que “qualquer decisão a respeito da retomada das aulas será adotada de acordo com as orientações das autoridades sanitárias que realizam análises diárias a respeito da propagação da Covid-19 no estado”, e que neste momento a Sesa não recomenda o retorno de atividades escolares. Segundo o governo, há “aumento substancial de confirmações de casos de infecção pelo novo coronavírus” e “qualquer nova posição será reflexo da evolução da curva de contágios e da redução dos números de ocorrências”.

O governo do Paraná reiterou que o programa de ensino a distância (EaD) Aula Paraná “atende as mais diversas realidades socioeconômicas existentes no Paraná” e não considera a suspensão de calendário. Diz atender a todas as recomendações do Conselho Nacional de Educação (CNE) e do Conselho Estadual de Educação (CEE), “além de adotar parâmetros da Unesco, indicados para levar educação em tempos de pandemia global”. Segundo dados da Seed, 99% dos estudantes estão inseridos no sistema de aulas não presenciais, e está sendo realizada busca ativa dos estudantes que não registraram acompanhamento. Nesta sexta-feira (5), termina o prazo para os usuários responderem uma pesquisa sobre o funcionamento do programa Aula Paraná.

A respeito da possibilidade de quebradeira no setor educacional, o governo respondeu: “em relação ao apoio financeiro aos empreendedores privados, o governo do estado informa que qualquer tipo de empresa pode se habilitar para acessar as linhas de crédito disponibilizadas pelas carteiras da Fomento Paraná e BRDE, que somam R$ 1 bilhão”.

9 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]