i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Ponta Grossa

TJ suspende decisão que autorizava regime domiciliar a 158 presos

  • 08/04/2020 16:23
TJ suspende decisão que autorizava regime domiciliar a 158 presos
| Foto: Arquivo Gazeta do Povo

Atendendo a um pedido do Ministério Público (MP) do Paraná, o desembargador Celso Jair Mainardi, da 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça (TJ), suspendeu nesta terça-feira (7) a decisão que autorizava o regime domiciliar para 158 presos que cumpriam pena em unidades prisionais de Ponta Grossa, na Cadeia Pública Delegado Hildebrando de Souza e na Penitenciária Estadual.

Como uma medida de combate ao coronavírus, e atendendo à Resolução 62/2020 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o juiz de Direito Antônio Acir Hrycyna, da Vara de Corregedoria dos Presídios de Ponta Grossa, havia determinado no último dia 27 que todas as pessoas presas que pertencem ao grupo de risco em relação à Covid-19 fossem transferidas para “prisão domiciliar humanitária com monitoração eletrônica pelo prazo inicial de 60 dias, podendo ser revisto, de acordo com a evolução da pandemia”.

A 13ª Promotoria de Justiça de Ponta Grossa recorreu contra a decisão, sustentando que a medida foi adotada “de forma genérica, padronizada, sem discriminar, individualmente, quais seriam os sentenciados, bem como a doença e as comorbidades e, ainda, sem a devida fundamentação para conceder a prisão domiciliar, não havendo qualquer indicação individualizada das razões pelas quais se entende que cada custodiado deva ser contemplado”.

O desembargador Celso Jair Mainardi escreveu em seu despacho que “de fato não se desconhecem os recentes acontecimentos concernentes à pandemia do coronavírus e as implicações ao sistema carcerário”, mas “a colocação dos encarcerados em liberdade não é automática”.

“Não se perca de vista ainda que, em época de pandemia – na qual toda a sociedade vive momentos de extrema apreensão e angústia –, a preservação da ordem pública adquire ainda mais relevância. Afinal, com a limitação de diversos serviços públicos, inclusive na área de segurança, aumenta o risco de cometimento de crimes, o que pode agravar ainda mais a caótica situação por todos enfrentada. Dessa forma, entendo ser necessária a avaliação prima facie, individualizada de cada processo executório”, argumentou Mainardi.

Decisões semelhantes em Matinhos e Maringá

O MP também conseguiu reverter decisões semelhantes em Maringá e em Matinhos. No último dia 3, o TJ reverteu a concessão de prisão domiciliar a 15 presos condenados por crimes graves em Maringá. No último dia 24, o TJ suspendeu o benefício do regime domiciliar concedido em primeira instância para 28 presos em Matinhos.

Presidente do TJ reforça que análises sejam feitas “caso a caso”

Também em reação a um ofício encaminhado pelo MP, o presidente do TJ do Paraná, desembargador Adalberto Jorge Xisto Pereira, reforçou nesta terça-feira (7) a todos os magistrados que as liberações de presos das unidades prisionais sejam analisadas “caso a caso”, “levando em conta as especificidades do caso concreto”.

Xisto Pereira também recomenda que os magistrados ouçam previamente o representante do MP, antes de qualquer decisão. O presidente do TJ destaca que a Resolução 62/2020, do CNJ, “não deve ser utilizada quando se tratar de crimes graves, praticados com emprego de violência ou grave ameaça contra pessoa, ou de criminoso reconhecidamente perigoso”.

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • S

    sebastião orlando machado

    ± 5 horas

    Ate que enfim apareceu alguém no judiciário que se preocupa com a segurança publica!!! Parabéns !!!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MICHAEL GUSTAV ADOLF MULL

    ± 6 horas

    Ainda tem luz no fim do túnel do Judiciário....

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]