Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Presidente da República, Jair Bolsonaro, em pronunciamento realizado nesta terça-feira (31).
Presidente da República, Jair Bolsonaro, em pronunciamento realizado terça-feira, 31 de março de 2020.| Foto: Isac Nóbrega/PR

O presidente da República, Jair Bolsonaro, chegou na manhã deste sábado, 11, à cidade goiana de Águas Lindas, que fica a 56 quilômetros de Brasília, para visitar a construção de um hospital de campanha para atender pacientes com Covid-19. A visita conta com a presença do governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), que, no mês passado, anunciou rompimento com Bolsonaro, de quem era aliado de longa data. Isolado politicamente durante a crise do coronavírus, o presidente busca uma reaproximação com o governador.

Bolsonaro chegou ao local de helicóptero por volta das 11h20, acompanhado dos ministros Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo; Tarcísio de Freitas, da Infraestrutura; e da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, com quem Bolsonaro trava uma batalha sobre a condução do enfrentamento à pandemia.

O compromisso não constava da agenda oficial, e não foi permitida a entrada da imprensa. Todos eles estão de máscaras.

Do lado de fora da área do hospital, cerca de 50 pessoas se aglomeraram para ver o presidente. Sem máscaras, elas chamavam Caiado de traidor.

Bolsonaro decidiu ir ao encontro dos apoiadores que o aguardavam na saída do local. Eufóricas, as pessoas tiravam fotos e tentavam se aproximar do presidente.

Os ministros Tarcísio de Freitas e Luiz Eduardo Ramos, também acompanharam o presidente na caminhada entre os apoiadores.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, no entanto, só participou da visita ao hospital e não seguiu para o passeio para cumprimento aos populares. "A recomendação de não aglomeração vale para todos", disse Mandetta logo depois de o presidente ir ao encontro das pessoas.

Hospital de campanha

O hospital de campanha, instalado em uma área de 10 mil metros quadrados, terá 200 leitos de semi UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para atender pacientes de Goiás e do Distrito Federal. A construção começou há uma semana e a previsão é que esteja concluída em 15 dias.

O governo federal arcará com o custo de R$ 10 milhões para a construção e manutenção do hospital por quatro meses. Já os custos com equipe médica e materiais serão de responsabilidade do governo de Goiás.

Desde o início do avanço do coronavírus no País, Bolsonaro tem minimizado a pandemia e já se referiu à doença como "gripezinha". O presidente também tem circulado por áreas comerciais de Brasília, descumprindo orientações de autoridades sanitárias para que população mantenha distanciamento social. Nesses passeios, ele tem posado para fotos e cumprimentado apoiadores.

Bolsonaro defende que a população retome suas rotinas para evitar um colapso da economia e que o isolamento seja restrito a idosos e pessoas com doenças. O presidente tem 65 anos.

Foi após Bolsonaro incentivar, em pronunciamento, que as pessoas voltassem "à normalidade", que Caiado rompeu com ele. "As decisões do presidente na área da Saúde e sobre coronavírus não alcançam Goiás", disse o governador na ocasião.

O distanciamento social é um dos principais pontos de divergência entre Bolsonaro e Mandetta. Outro é a prescrição da hidroxicloroquina para o tratamento da Covid-19, defendida pelo presidente mesmo sem pesquisas conclusivas sobre a eficácia e os efeitos colaterais do medicamento.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]