i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Tributação

Projeto altera cobrança de imposto municipal. Quem ganha e quem perde

  • PorAndrea Torrente, especial para a Gazeta do Povo
  • 25/09/2019 11:40
Máquina de Cartão de Crédito ou Débito
Projeto de lei muda como é recolhido o Imposto sobre Serviços (ISS) para operadoras de cartões de crédito, entre outras empresas.| Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

A Câmara dos Deputados pode votar nesta quarta-feira (25) o projeto de lei complementar (PLP 461/17) que altera a maneira como é recolhido o Imposto sobre Serviços (ISS). O texto substitutivo apresentado pelo deputado Herculano Passos (MDB-SP) transfere a competência da cobrança do ISS do município onde fica o prestador do serviço para o município onde o serviço é prestado ao usuário final. A lei prevê um prazo de quatro anos para a transição, a partir de 2020.

Se aprovada, a mudança terá impacto direto nas finanças dos municípios, aumentando a arrecadação para as cidades menores em detrimento das maiores. Empresas de cinco setores serão afetadas:

  • operadoras de planos de saúde;
  • operadoras de cartões de crédito;
  • administradoras de fundos e carteiras de valores imobiliários;
  • administradoras de consórcios;
  • e empresas de leasing de veículos.

Essas companhias passarão a recolher o tributo em todas as cidades em que atuam, e não mais apenas no município onde têm sede, como ocorre hoje.

O projeto agrada aos pequenos municípios, que preveem aumento de arrecadação graças ao que chamam de distribuição mais justa dos tributos. Por outro lado, empresas afirmam que haverá aumento da carga tributária, com encarecimento dos serviços para o consumidor, e veem à frente um "pesadelo operacional" para conseguir recolher o imposto em todas as cidades onde atuam.

Municípios apoiam mudança no ISS e preveem mais arrecadação

Segundo Thalyta Alves, do Núcleo de Desenvolvimento Econômico da Confederação Nacional de Municípios (CNM), a nova lei “vai distribuir de forma justa” a arrecadação do ISS, beneficiando os municípios menores. A estimativa da entidade é que mais de R$ 6 bilhões sejam transferidos das grandes para as pequenas cidades.

A reivindicação dos municípios para uma distribuição mais equilibrada dos tributos é antiga. Atualmente a arrecadação do ISS se concentra nos maiores municípios, onde estão sediadas as empresas que fornecem esses serviços. A CNM calcula que em 2018, dos R$ 61,9 bilhões gerados pelo imposto, R$ 39 bilhões – 61% do total – foram arrecadados em apenas 35 cidades.

Ary José Vanazzi, presidente da Associação Brasileira de Municípios e prefeito de São Leopoldo (RS), estima que a mudança no recolhimento do ISS vai aumentar em até 20% a arrecadação das cidades beneficiadas. "Se uma empresa de planos de saúde opera na minha cidade, hoje eu não arrecado o ISS sobre a receita que a empresa acaba gerando. Essa lei vai fazer justiça social", afirma Vanazzi.

Empresas veem "pesadelo operacional" com mudança no ISS

Para o diretor presidente da Confederação Nacional de Instituições Financeiras (CNF), José Ricardo da Costa Aguiar Alves, as estimativas de recolhimento citadas por representantes de municípios "são completamente fantasiosas”.

Segundo cálculos da entidade, que é contrária à atual formulação do projeto de lei, a redistribuição não chegaria a R$ 4 bilhões.

Segundo Alves, a medida terá duas consequências negativas. De um lado, vai gerar aumento de alíquota nos municípios menores, o que levará as empresas a encarecer os serviços para os consumidores finais. Por outro, afirma, as empresas enfrentarão um “pesadelo operacional” por terem de recolher o imposto em todos os municípios em que atuam.

Operadoras de cartões de crédito e de planos de saúde, por exemplo, que que fornecem serviços em praticamente todo o território nacional, deverão recolher o tributo nos 5.570 municípios do país, mais o Distrito Federal.

Como cada prefeitura tem uma legislação específica, aplica sua própria alíquota – que varia de 2% a 5% –, com diferentes prazos de pagamento e guias de recolhimento, o executivo teme que a complexidade no pagamento leve a uma “retração de serviços”.

Para evitar enfrentar a burocracia tributária, “muitas empresas poderão deixar de operar nos pequenos municípios”, avalia Alves. As mais afetadas seriam as pequenas e médias empresas, sem capacidade para enfrentar o novo desafio operacional.

João Eloi Olenike, presidente do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), alerta para um possível “recrudescimento da guerra fiscal municipal”, além de um aumento da burocracia: “Provavelmente as empresas terão que ter inscrição municipal em cada município”, afirma.

Regras para o pagamento do "novo" ISS

O projeto de lei prevê que as regras para o recolhimento do tributo serão definidas pelo Comitê Gestor das Obrigações Acessórias, que será composto por dez membros – dois para cada região do país – indicados pela Frente Nacional de Prefeitos (FNP) e pela CNM. O órgão será responsável por criar um sistema único nacional para auxiliar as empresas a pagar o imposto.

Além disso, o texto define as seguintes regras em relação a quem deve ser considerado o usuário do serviço:

  • cartão de crédito: será considerado tomador a pessoa física ou jurídica que detém a posse das máquinas de leitura dos cartões;
  • planos de saúde: o tomador é o beneficiário;
  • administradoras de fundos e carteiras de valores mobiliários: o tomador será o investidor;
  • serviços prestados por administradoras de consórcio: o tomador será o consorciado;
  • empresas de leasing de veículos: a cobrança caberá ao município do local do prestador do serviço de cobrança do leasing.

Fase de transição

Se aprovada, a nova legislação será aplicada gradualmente para limitar os impactos no orçamento dos municípios nos quais é feita a arrecadação atualmente:

  • em 2020, 25% da arrecadação ficará com o município onde é prestado o serviço e 75% com o município do prestador do serviço;
  • em 2021, o imposto será dividido pela metade entre ambos;
  • em 2022, as porcentagens se invertem e 75% irá para o município do tomador e 25% para o município do prestador do serviço;
  • a partir de 2023, 100% da arrecadação ficará com os municípios onde está o usuário do serviço.
1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • H

    Heber Andrade Gonçalves

    ± 18 minutos

    Aumentando a complexidade do sistema tributário todos perdem. Quando a forma de pagar impostos influencia nas decisões de negócio, como por exemplo restringir atendimento a determinadas regiões, é sinal de que o sistema está errado. Deveríamos estar simplificando a tributação, não complicando.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso