Aprovada pelo Congresso Nacional, a PEC Emergencial vai promover um ajuste fiscal "meia-sola"; medida viabiliza também o retorno do auxílio emergencial

***) Finalmente foi aprovada a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Emergencial. Não sem antes passar por um processo de desidratação no Congresso.

São dois aspectos bastante importantes na PEC Emergencial: ela viabiliza o retorno do auxílio emergencial em 2021 e prevê medidas de contenção de gastos.

PEC Emergencial viabiliza volta do auxílio; ajuste nas contas é "meia-sola"

É neste segundo tema que ocorreram as principais derrotas do projeto original. Entre elas, a principal concessão foi liberar as progressões e promoções para todos os servidores públicos, mesmo em caso de calamidade ou descontrole das contas.

Por outro lado, o governo conseguiu manter no texto o congelamento do salário dos servidores, que trará economia significativa aos cofres públicos quando for acionado através dos chamados gatilhos que estão previstos na legislação.

Sobre o auxílio emergencial o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que ele terá quatro parcelas, com valor de R$ 250 cada.

Com tudo isso, o que sobrou da PEC Emergencial? É esse o tema deste episódio do podcast 15 Minutos que recebe a Jéssica Sant’Ana, editora de Economia da Gazeta do Povo, em Brasília.

***
O podcast 15 minutos é um espaço para discussão de assuntos importantes, sempre com análise e a participação da equipe de jornalistas da Gazeta do Povo. De segunda a sexta, de forma leve e dinâmica, com a duração que cabe na correria do seu dia. Apresentação é do jornalista Márcio Miranda. O programa é publicado no Spotify, Google Podcast, Deezer e no iTunes.

***
Ficha técnica: ‘15 minutos’, podcast de notícias da Gazeta do Povo #Apresentação e roteiro: Márcio Miranda; direção de conteúdo: Rodrigo Fernandes; equipe de produção: Maria Eduarda Scroccaro, Jenifer Ribeiro e Durval Ramos; montagem: Leonardo Bechtloff; identidade visual: Gabriela Salazar; estratégia de distribuição: Gladson Angeli e Marcus Ayres.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]