Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
CCJ votou PEC da prisão em segunda instância
CCJ votou PEC da prisão em segunda instância| Foto: Pablo Valadares / Agência Câmara

Após uma longa negociação entre lideranças, a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (20), a PEC da segunda instância, a emenda constitucional que permite a prisão de condenados em segundo grau da Justiça. A proposta foi aprovada por 50 votos a 12, e agora segue para avaliação de uma comissão especial a ser criada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

A aprovação foi possível graças a apresentação de um novo texto, que dribla o impedimento de modificar o artigo 5º da Constituição, considerado cláusula pétrea. A proposta aprovada modifica dois artigos da Constituição, o 102 e o 105, que dispõem sobre as atribuições do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Pelo texto, os recursos extraordinário e especial, que são apreciados pelas cortes superiores, são transformados em ações revisionais. Assim, a condenação em segunda instância passa a ser o trânsito em julgado da ação, liberando o réu condenado a começar a cumprir a pena de prisão.

A redação da PEC aprovada na CCJ nesta terça difere do projeto inicialmente apresentado na comissão. O texto anterior mudava o artigo 5º da Constituição para determinar que “ninguém será considerado culpado até a confirmação de sentença penal condenatória em grau de recurso”, em vez de “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”, como consta hoje na carta constitucional.

15 partidos orientaram o voto "sim"

A PEC é de autoria de Alex Manente (Cidadania-SP) e foi relatada pela deputadaCaroline de Toni (PSL-SC). A aprovação por larga margem de votos foi possível graças ao apoio de 15 partidos: orientaram pelo voto "sim" o PSL, PL, PSD, MDB, Republicanos, PSDB, PDT, DEM, Solidariedade, Podemos, PSC, Cidadania, Novo, Patriota e PV. Quatro partidos de esquerda orientaram "não": PT, Psol, Pros e PCdoB. O PSB liberou a bancada para votar da maneira que achasse mais apropriada.

O deputado Alex Manente celebrou o que chamou de mobilização para a aprovação da PEC. “Mostra que nós iremos para o plenário depois de passar pela comissão especial, com toda possibilidade de termos a maioria qualificada, os 308 votos necessários. Essa PEC modifica o sistema recursal brasileiro. Nosso sistema é moroso, letárgico, e um sistema que posterga condenações, especialmente daqueles que têm poder aquisitivo, influência e poder”, disse.

Apesar da aprovação, o caminho da proposta de emenda à Constituição ainda é longo. Precisa ser aprovado pela comissão especial antes de seguir para apreciação no plenário da Câmara. Lá, são necessárias duas votações e o apoio de três quintos dos 513 deputados em cada um dos escrutínios para ser aprovada. Se isso ocorrer, segue então para análise do Senado.

29 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]