i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rodrigo Constantino

Foto de perfil de Rodrigo Constantino
Ver perfil

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Caso de polícia, mas também de política: operação Bullish investiga JBS e BNDES

  • PorRodrigo Constantino
  • 15/05/2017 09:11
Caso de polícia, mas também de política: operação Bullish investiga JBS e BNDES
| Foto:

Por João Luiz Mauad, publicado pelo Instituto Liberal

A Polícia Federal deflagrou nesta sexta (12) a Operação Bullish, que investiga possíveis fraudes e irregularidades em aportes concedidos pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) à JBS.

Alvíssaras! Mesmo que não tenha havido fraude, essa política de “campeões nacionais” promovida pelo PT, através do BNDES, foi das coisas mais nocivas que poderia ter acontecido à economia tupiniquim. É preciso parar de vez com esse negócio de dar dinheiro público para os amigos do rei.

A coisa era tão surreal que, enquanto o governo dispunha de um órgão (CADE) cujo objetivo era zelar pela concorrência, utilizava outro (BNDES) justamente para incentivar a concentração do mercado. No mesmo diapasão, enquanto o BC promovia uma política monetária de juros altos, na tentativa de frear a inflação, o BNDES puxava a corda para o outro lado, emprestando somas altíssimas a juros reais baixíssimos, muitas vezes até negativos.  Ou seja, a política monetária do Governo Dilma enxugava gelo.  Não por acaso, terminamos numa baita estagflação, que mistura inflação alta e recessão.

Mas não pensem que tal política era apenas economicamente desastrada. Havia carne debaixo daquele angu, como se diz na gíria.  Senão, vejamos: Desde que os recursos do BNDES começaram a ser drenados pela JBS, em 2005, aquela empresa já repassou nada menos que R$ 463,4 milhões a políticos e partidos nas eleições de 2006, 2008, 2010 e 2014.

R$ 463 milhões é muita grana, não é mesmo?  Está certo que o faturamento do grupo anda pela casa das dezenas de bilhões, mas, ainda assim, é preciso amar muito a democracia para doar tanto dinheiro a políticos.  Sim, pois das duas, uma: ou estamos diante de uma paixão arrebatadora pela democracia, ou de um baita investimento com retornos fabulosos esperados no futuro.

BNDES tem investido naquele grupo algo em torno de R$ 10,5 bilhões, sendo 8,5 bilhões em ações e 2,1 bilhões em empréstimos subsidiados.  Muito graças a esses investimentos do BNDES, o JBS se consolidou como um dos maiores grupos do mundo em sua área, tendo adquirido diversos concorrentes, aqui e no exterior, numa demonstração inequívoca de que a política de escolha de campeões, tão cara aos petistas, também promove a consolidação de monopólios.

É preciso que a sociedade brasileira entenda, de uma vez por todas, que, enquanto os governos detiverem poder tanto para levar empresários à fortuna quanto à ruína, será quase impossível escapar do compadrio político, uma prática conveniente para ambos os lados, tanto para os governos inchados e sedentos de poder, quanto para os empresários oportunistas.

A sociedade só conseguirá mudar esta tendência de conluio e corrupção galopantes quando cortar drasticamente os suprimentos de dinheiro e poder que fazem a festa de políticos, burocratas e empresários.  Mas esta é uma tarefa hercúlea.

Peguem, por exemplo, qualquer medida do governo para tentar equilibrar o orçamento, um problema que tem tirado o sono de onze em cada dez pessoas sensatas, atualmente.  Na maioria das vezes, as propostas se resumem a aumentar impostos ou reduzir algumas despesas, mas quase ninguém fala em privatizar empresas estatais ou reduzir drasticamente os recursos do BNDES destinados a subsidiar os amigos do rei, duas medidas que, sozinhas, poderiam ajudar muito na cobertura do déficit.

Será que os políticos não enxergam o óbvio, ou simplesmente não querem largar o osso?

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.