Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Vi neste fim de semana o filme "Não olhe para cima", da Netflix, com Leonardo DiCaprio, Jennifer Lawrence, Meryl Streep, Cate Blanche e outros. Trata-se de uma comédia satírica sobre cientistas que descobrem um meteoro gigante rumo ao planeta Terra, mas passam enorme dificuldade ao convencer os demais a levar a ameaça de extinção a sério.

João Pereira Coutinho fez o óbvio paralelo com o discurso climático e concluiu: "A dicotomia primitiva entre 'apocalíticos' e 'negacionistas' é a coisa mais anticientífica que existe. A discussão científica sobre o clima faz-se com modelos hipotéticos, dos mais extremos aos mais moderados, e não com dogmas infantis de 'vamos todos morrer' ou 'vamos todos ficar bem'. Além disso, se Adam McKay acredita mesmo que a mídia ou o establishment político não dedica ao assunto a seriedade que ele merece, é legítimo perguntar em que planeta o diretor vive. Se existe tópico que congrega as atenções da mídia, das instituições internacionais, das ONG’s e dos governos é precisamente as alterações climáticas. Isso coloca o filme numa situação paradoxal: como é possível apresentar os cientistas do filme como a minoria iluminada quando as preocupações que os animam são, na verdade, as preocupações da maioria que tem voz e poder? A sátira, por definição, incomoda os poderosos. Mas, excetuando os órfãos de Donald Trump ou os zumbis de Bolsonaro, quem se sente incomodado com a mensagem do filme? 'Não Olhe para cima' é mera pregação aos convertidos".

Tem lacração "progressista" filme sim, mas ele também tira ótimos sarros da mídia, da superficialidade das redes sociais e da classe de políticos. A "Madam President", personagem de Meryl Streep, é uma mistura clara de Trump com Hillary Clinton (aliás aparece uma foto dela abraçando Bill). O empreendedor esquisitão que, na prática, manda na presidente por ser o maior doador de campanha, tem hábitos estranhos de cheirar o cabelo das pessoas, remetendo diretamente ao atual presidente Joe Biden, um democrata.

O Peter, esse empresário, é uma mistura de Steve Jobs com Elon Musk, e um personagem simplesmente hilário. Ao lançar seu "uh, phone" 14,3, da sua empresa BASH, ele mostra como os algoritmos controlam nossas emoções, enquanto é a pessoa mais sem emoção do planeta. A garotinha usada na campanha, impedida de fazer um comentário na apresentação, diz depois que ama Peter, apenas para ser ignorada pelo empresário, mais preocupado com a galinha "ameaçadora" que foi utilizada com um puppy num vídeo para transmitir alegria a todos. É genial.

A mídia é retratada como um antro de superficialidade, falsidade e hipocrisia, tentando tratar tudo como show e entretenimento, a base de muita bebida nos bastidores. Cate Blanche está perfeita no papel, com seu currículo extenso em universidades de ponta cursando área de humanas, escolha de uma menina mimada de família rica, desprovida de qualquer relacionamento real.

O público em geral é mostrado como carente de estímulos idiotas, uma ácida crítica aos tempos das redes sociais, em que os temas mais banais viralizam e atraem quase toda a atenção e debates. Debates esses que, por sua vez, tornam-se sempre tribais, binários, maniqueístas, como a escolha de um time numa final de campeonato. De qual lado você está? Quando o assunto é o iminente apocalipse, eis o resultado que vemos, após cada um descansar das intrigas e fofocas sobre artistas famosos.

Em determinado momento, aliás, uma estrela de Hollywood é entrevistado e o ator, ao mostrar seu broche com uma seta para cima e outra para baixo, no melhor estilo tucano em cima do muro, alega que a sociedade está cansada de tanta politização e fanatismo, e que por isso ele não é nem da turma que quer "olhar para cima", nem da turma que rejeita "olhar para cima" por entender se tratar de um esquema de controle por meio do medo. Ele simplesmente fez um filme de humor e puro entretenimento, sem qualquer lado. Pareceu-me um momento de definição do próprio filme em questão, que estamos a assistir.

O humor não deve partir para o proselitismo, escolher um partido, fazer campanha política. Se for por esse caminho não será bom humor de verdade. O filme novo da Netflix flerta com essa escolha, e por isso tanta gente associada ao conservadorismo ficou incomodada com o filme, enquanto esquerdistas tentaram forçar um paralelo com a situação pandêmica, atacando os "negacionistas".

Eu vejo diferente. Como entretenimento, achei divertido. Acho que o filme expôs o ridículo de ambos os lados radicais, também. Quem pode levar a sério os escândalos descontrolados dos dois cientistas, cheios de problemas pessoais e eventualmente tragados pela vaidade? Quem pode crer que o movimento meio riponga e rebelde da turma do "olhe para cima" é um enaltecimento ao esforço sincero de salvar o planeta?

Os "apocalípticos" estavam certos pela ótica do filme, é verdade, mas não acho que foram representados como gente muito melhor. Os "negacionistas" são enganados por políticos e empresários inescrupulosos, que querem explorar minério no meteoro, o que deve ter levado os "progressistas" ao delírio. Mas cá entre nós: esses dois extremos são patéticos! Não é preciso negar as "mudanças climáticas" para não embarcar no alarmismo oportunista de quem transformou a nobre missão de preservar o planeta em seita religiosa fanática. Tem maluco e safado de todos os lados!

No mais, ao término do filme (com spoiler), os dois cientistas se arrependem de seus pecados, escolhem ficar entre amigos e família na última ceia, com direito a uma oração voltada a Deus, com gratidão por tudo que tiveram de bom até ali. Bem, eu diria que essa mensagem é um tanto conservadora, não?

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]