i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rodrigo Constantino

Foto de perfil de Rodrigo Constantino
Ver perfil

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Pibinho decepciona, mas qualidade do crescimento foi melhor e é preciso olhar para frente

  • PorRodrigo Constantino
  • 04/03/2020 11:58
Pibinho decepciona, mas qualidade do crescimento foi melhor e é preciso olhar para frente
| Foto:

Em 2019, o PIB (Produto Interno Bruto) cresceu 1,1% frente a 2018, após altas de 1,3% em 2018 e 2017, e de retrações de 3,5% em 2015 e 3,3% em 2016 (a herança maldita do PT). Houve altas na Agropecuária (1,3%), na Indústria (0,5%) e Serviços (1,3%). O PIB totalizou R$ 7,3 trilhões em 2019.

Conforme destacado pela Secretaria de Política Econômica do governo, é preciso observar também a melhor qualidade desse crescimento, ainda baixo e aquém das expectativas iniciais:

O aumento no consumo das famílias e do investimento, e acompanhado pela redução no consumo do governo reforçam a tendência de crescimento do PIB privado em substituição do setor público. Embora os números se situem um pouco abaixo dos valores revisados do PIB de 2017 e 2018, vale destacar as mudanças que estão ocorrendo na composição dos principais indicadores.

Ou seja, o governo vem agindo de forma anticíclica, reduzindo o crescimento dos gastos, o que é desejável e necessário. O PIB, assim, avançou pouco, mas com melhor qualidade, menos dependente de estímulos estatais, insustentáveis e artificiais.

A SPE explica:

O resultado indica uma redução da parcela setor público na economia. Enquanto em 2018, o investimento público cresceu acima de 9%, houve retração superior a 5% no ano passado, indicando que o PIB público caiu mais de 1%, contrapondo a expansão de 0,9% em 2018. Outros indicadores confirmam a consolidação fiscal.

O secretário Adolfo Sachsida, em entrevista ao Jornal da Manhã hoje, apontou para esse importante aspecto, que vem sendo ignorado em análises mais afoitas, reforçando a necessidade de seguirmos com a agenda virtuosa de reformas liberais para que o crescimento possa finalmente deslanchar:

Sachsida está certo. O crescimento ainda é muito baixo, mas com qualidade melhor, e o mais importante é olhar para frente. Para tanto será fundamental aprovar as reformas, o que joga a responsabilidade para o Congresso, e também para o Executivo. As polêmicas desnecessárias criadas por Bolsonaro não ajudam muito nesse sentido. O Brasil tem pressa!

Não adianta colocar humorista para dar bananas aos jornalistas; o importante é entregar os resultados. E tampouco adianta colocar a faca no pescoço do ministro Paulo Guedes, que alega ter 15 semanas para "salvar o Brasil". Bolsonaro precisa resistir à tentação populista de flertar com heterodoxias para estimular o PIB no curto prazo.

Guedes sabe o que precisa ser feito e, se isso acontecer, os resultados virão, de forma sólida e sustentável. É preciso dar tempo e autonomia ao ministro, mas também os instrumentos necessários para ele implementar sua política liberal. Ou seja, a aprovação das reformas no Congresso. O desafio, claro, é fazer isso com articulação, mas sem mensalão, e com um Parlamento dominado pelo centrão fisiológico e, muitas vezes, chantagista.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • C

    Clovis Basoy

    ± 1 dias

    O problema é que tem chantageado negociando a chantagem mais vantajosa com os chantagistas, mas não tem coragem de admitir que é frouxo para realizar as reformas. E daí fica fazendo jogo de cena. O gado adora. A oposição mais ainda, pois o caminho para o retorno está começando a ficar aberto. Uma lástima!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • R

      Rafael Carneiro Bolda

      ± 1 dias

      Esse comentário foi removido por não estar de acordo com os Termos de Uso.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • A

        Allan Apter

        ± 1 dias

        Vi "professor" da FGV comentando em um outro grande portal de notícias que a indústria desapontou (-1,1%) por causa da Argentina, quando na verdade é a indústria extrativa que puxou pra baixo, por conta de Brumadinho. Esquecem de mencionar também a guerra comercial EUA x China que causou muita incerteza no mercado. Também temos que lembrar, que, um PIB na casa de 2 a 3% fortalece politicamente o Bolsonaro, e hoje temos um centrão fisiológico que sabe da importância das reformas, porém, fornece em doses homeopáticas, frustrando o resultado final a fim de enfraquecer politicamente o mesmo. Basta lembrarmos da reforma da previdência como foi desidratada. O centrão quer voltar ao poder em 2022.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        Fim dos comentários.