i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Rouquidão

Perigos da má utilização da voz

Alterações crônicas podem ser muito mais do que sintomas passageiros consequentes das baixas temperaturas do inverno

  • 30/06/2009 21:08
Saiba mais sobre a disfonia e veja como evitá-la |
Saiba mais sobre a disfonia e veja como evitá-la| Foto:

A época das doenças de inverno chegou e volta e meia alguém aparece com sintomas consequentes de gripe ou resfriado. A rouquidão – clinicamente chamada de disfonia, originada na laringe, onde estão as pregas vocais – é um deles. Nesse caso dura até sete dias, bastando tratar a gripe ou resfriado e repousar a voz. Mas se aparecer de repente, sem companhia de espirros e de dores no corpo ou, ainda, permanecer por mais de duas semanas, acenda a luz de alerta. Pode ser um caso de disfonia crônica, provocado pela má utilização da voz.

Quem deve ficar mais atento são profissionais que têm a voz como instrumento de trabalho, como professores, atendentes de telemarketing, cantores, atores e locutores. Várias outras situações podem provocar disfonia crônica: fumo, álcool, alteração hormonal, distúrbios na tireóide, problemas neurológicos ou psicológicos, fadiga, má alimentação, ar condicionado e poluição.

Sem os cuidados adequados, lesões podem ocorrer e provocar disfonia, levando a danos irreversíveis. "Em muitas pessoas, um problema de voz ameaça a atividade profissional", diz o otorrinolaringologista Evaldo Macedo, professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e membro da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia. Segundo o especialista, não há uma estatística mundial segura sobre a incidência de casos de disfonia por abuso da voz, mas ele afirma que pode acontecer em cerca de 20% dos profissionais, dependendo do grupo de atuação. "Os professores e atendentes de telemarketing são os mais afetados em função de suas cargas de trabalho muito puxadas. Muitas vezes eles não têm um treinamento adequado para a prevenção", explica Macedo.

Sintomas frequentes de rouquidão – decorrentes de oito horas diárias falando sem parar –e as faltas dos professores, passaram a ser um sinal de alerta para a direção do Colégio Bom Jesus, de Curitiba. Há 12 anos, foi criado o Programa de Voz, com o objetivo de prevenir e tratar o aparecimento de alterações nos cerca de mil docentes da instituição. "É preciso usar a voz de uma forma adequada, com correta respiração e projeção, para evitar lesões nas pregas vocais", orienta a fonoaudióloga Sônia Arns Guimarães, responsável pelo programa. Na rede estadual de ensino, os professores são orientados pelo programa Saúde Vocal, Cuidando da Voz do Professor.

Perda total

Se a rouquidão permanecer por mais de 15 dias pode estar escondendo outros problemas mais graves, como um câncer na região da laringe. O Brasil tem a terceira maior incidência mundial da doença, cujo vilão número um é o tabagismo. Um exame chamado video laringoscopia feito por um otorrinolaringologista poderá detectar o problema. "O primeiro sintoma do câncer é a rouquidão. O diagnóstico precoce permite 100% de cura, sem cirurgia", explica o especialista Luiz Carlos Sava, chefe do Serviço de Otorrino laringologia do Hospital Cajuru.

Em muitos casos é preciso retirar a laringe totalmente para remover o tumor e salvar a vida do paciente. Mas é inevitável a perda da fala. O problema é amenizado com a produção de som através do esôfago, mas que não terá a sonoridade natural. "Algumas pessoas recorrem a um aparelho chamado laringe artificial, colocado próximo ao pescoço. A pessoa faz o movimento labial da palavra e o aparelho transmite o som com uma voz que parece robotizada", conta a fonoaudióloga Tânia Coelho, vicepresidente do Conselho Regional de Fonoaudiologia.

Crianças

São comuns os casos de disfonia em crianças, a maioria na faixa dos quatro aos cinco anos de idade, principalmente devido a maus hábitos vocais. Um público significativo que há cerca de dez anos não existia. "A dinâmica das famílias mudou. Hoje os pais não têm tempo para os filhos e eles usam o grito para serem ouvidos", explica a fonoaudióloga Maria Regina Serrato, coordenadora do curso de fonoaudiologia da Universidade Tuiuti do Paraná (UTP). Ela explica que isto acontece também em famílias que têm o hábito de falar muito alto. Para essas crianças, a cirurgia não é indicada, pois as pregas vocais ainda vão crescer durante a puberdade. Nesse caso, se surgirem nódulos ele serão absorvidos. "Se o comportamento delas não mudar, o problema reaparecerá. Só conseguimos bons resultados quando as famílias mudam a dinâmica e entendem que as crianças precisam de espaço para serem ouvidas", diz Maria Regina.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.