Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
2 a cada 3 americanos acham que Black Lives Matter deve ser investigado por atos violentos
Maioria dos negros e minorias do país declararam ser favoráveis à investigação do movimento extremista Black Lives Matter| Foto: Joe Brusky

Uma pesquisa nacional da Rasmussen Reports feita por telefone e pela internet entre os dias 16 e 18 de julho concluiu que 66% dos norte-americanos acham que o Congresso do país deve investigar os protestos violentos do Black Lives Matter que ocorreram em 2020.

De acordo com o relatório, no ano passado o movimento extremista realizou pelo menos 574 protestos que envolveram atos de violência, incluindo saques, depredações, agressões, incêndios criminosos e ataques a policiais – no período, mais de 2 mil agentes das forças de segurança, vários deles negros, sofreram ferimentos em decorrência dos ataques. Os protestos tiveram início após o assassinato de George Floyd, em 25 de maio de 2020.

>> NOVIDADE: faça parte do canal de Vida e Cidadania no Telegram

A pesquisa aponta que apenas 21% da população americana acha que o Congresso não deve investigar os atos violentos do Black Lives Matter; 13% afirmou não ter opinião definida.

Em todos os grupos raciais, a opinião majoritária é em favor da investigação dos protestos. Entre os negros, a porcentagem de favoráveis é de 64%; entre os brancos, o número corresponde a 67%; entre hispânicos, 66%. Quanto aos simpatizantes dos dois principais partidos políticos do país, entre os republicanos, 75% apoiam a investigação – já entre os democratas o número corresponde a 60%.

Outras conclusões da pesquisa:

  • 63% dos consultados acham que os participantes dos distúrbios e saques ocorridos em 2020 deveriam ser acusados ​​criminalmente;
  • 62% acreditam que as autoridades que minimizam os atos de violências merecem ser criticadas;
  • 65% discordam dos ativistas do Black Lives Matter, que afirmam que a bandeira dos Estados Unidos e as bandeiras pró-polícia “Thin Blue Line” são símbolos de racismo;
  • 65% acham que o presidente Joe Biden e a vice-presidente Kamala Harris deveriam se reunir com a família do capitão de polícia David Dorn, que foi assassinado enquanto protegia um empreendimento comercial de saqueadores, da mesma forma que fizeram com a família de George Floyd;
  • 53% acham que o Congresso deveria conceder medalhas às forças de segurança que defenderam suas cidades de saqueadores e desordeiros violentos em 2020;
  • 76% acreditam que os jovens devem ser ensinados a obedecer à polícia em vez de resistir ou fugir da prisão.

Associação Nacional de Polícia afirma que autoridades se omitiram diante dos protestos

Ao comentar os dados da pesquisa, a Associação Nacional de Polícia (National Police Association – NPA) afirmou que a omissão de autoridades norte-americanas quanto aos protestos violentos do Black Lives Matter foi determinante para o aumento nos crimes praticados.

“Quando os prefeitos das cidades em que ocorreram distúrbios violentos em 2020 se recusaram a permitir que a polícia parasse imediatamente os crimes que estavam ocorrendo, isso enviou uma mensagem aos criminosos em todo o país que os crimes seriam permitidos e que os criminosos não seriam tocados”, afirmou o NPA em comunicado.

“Muitas autoridades eleitas de ambos os partidos e em todos os níveis tomaram a mesma atitude. Não pediram desculpas aos seus cidadãos por não cumprirem a lei, mas acusaram os policiais de racismo sistêmico, afirmando que as polícias precisavam de reforma e que seus orçamentos deveriam ser reduzidos”, disse Betsy Brantner Smith, porta-voz da NPA.

Popularidade do Black Lives Matter em queda

A popularidade do movimento extremista, que justifica atos criminosos como sendo em defesa da causa negra e de demais minorias, vem caindo desde o ano passado. O mesmo instituto que realizou a pesquisa que apontou que a maioria dos norte-americanos querem que o Black Lives Matter seja investigado havia concluído apontou, em estudo feito em junho do ano passado, que 62% da população do país tinha uma opinião favorável quanto ao movimento. Um ano depois, uma pesquisa feita pelo Yahoo News/YouGov concluiu que a situação havia se invertido, e a maioria da população já não aprovava o movimento – apenas 42% dos americanos afirmaram ter uma opinião favorável quanto ao Black Lives Matter.

A principal causa para a queda na aprovação foram os habituais atos de vandalismo – em setembro de 2020, uma pesquisa do US Crisis Monitor apontou que 91% dos distúrbios violentos no país estavam ligados ao movimento.

Também pesa contra o grupo as notícias sobre o enriquecimento de seus fundadores. Em abril, a cofundadora do Black Lives Matter, Patrisse Khan-Cullors, comprou uma casa de 222 metros quadrados com área externa de cerca de mil metros quadrados, no valor US$ 1,4 milhão (equivalente a mais de R$7 milhões), em Los Angeles. A informação gerou numerosas críticas, sobretudo pelo fato de o movimento ser, em tese, anticapitalista.

Na ocasião, Hawk Newsome, líder de um grupo antirracista de Nova York que não é vinculado ao Black Lives Matter, pediu uma investigação para apurar como o movimento gasta seu dinheiro.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]