i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Curitiba

Acendedor em gel é recolhido após 2 mortes em acidentes com produto

Segundo o Ministério Público, as duas mortes ocorreram porque o produto teria explodido

  • PorCélio Yano, Gladson Angeli e Pedro de Castro
  • 15/10/2009 12:50

A Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba determinou, na manhã desta quinta-feira (15), a interdição de todos os lotes do acendedor em gel da marca Da Ilha. A medida atende a um pedido do Ministério Público do Paraná (MP), que na quarta-feira (14), solicitou que o produto fosse retirado do mercado da cidade após tomar conhecimento de duas mortes ocorridas neste ano em acidentes envolvendo o produto na capital.

Em ambos os casos, a embalagem explodiu quando as vítimas utilizavam o álcool para acender um réchaud – recipiente queimador que mantém as refeições aquecidas sobre a mesa. Segundo o MP, os incidentes ocorreram apesar de o rótulo do produto trazer a expressão "não explode". O produto é fabricado pela empresa Da Ilha Comércio de Álcool Limitada, de Almirante Tamandaré, na região metropolitana de Curitiba, e, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, não tem registro no Ministério da Saúde.

O último acidente fatal com o acendedor ocorreu no dia 18 de agosto em uma churrascaria da capital. O maître do estabelecimento foi encher o réchaud de álcool com uma garrafa de 4,3 litros quando a chama reminiscente inflamou o produto que explodiu dentro do vasilhame. O álcool em chamas se espalhou causando queimaduras de segundo e terceiro graus em 80% do corpo do maître e em 40% do corpo de um garçom que passava pelo local. Os dois foram levados conscientes ao Hospital Evangélico. O maître, de 34 anos, resistiu ao trauma, mas morreu um mês depois por causa de complicações das queimaduras. Já o garçom passou por tratamento com enxertos e teve alta.

Em 28 de fevereiro, outro acidente com o mesmo produto vitimou uma garçonete que trabalhava em um restaurante terceirizado de uma empresa de eletrônicos. A funcionária também acendia um réchaud quando ocorreu a explosão. A moça, de 24 anos, teve 70% do corpo queimado e não resistiu ao trauma, morrendo no hospital dias depois.

Os dois casos chegaram ao conhecimento do MP, que encaminhou o ofício à Vigilância Sanitária de Curitiba solicitando a retirada imediata do mercado do acendedor em gel da marca. Além disso, o MP requisitou à Delegacia do Consumidor a instauração de inquérito policial para apuração de crime de entrega de mercadorias em condições impróprias ao consumo, que prevê pena de dois a cinco anos de detenção ou multa.

Desde a manhã desta quinta-feira, equipes dos nove distritos da Secretaria Municipal de Saúde fazem a busca ativa do acendedor pela cidade. O MP informa ainda que irá encaminhar ofícios à Vigilância Sanitária do Paraná, à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e ao Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor do Ministério da Justiça para que providências sejam tomadas em âmbito estadual e nacional.

"É importante que se esclareça à população quais são os riscos que os acendedores em gel oferecem. O produto deve ser usado com cautela, e os fabricantes têm a obrigação deixar claro, nas embalagens, a forma correta de utilização do produto", afirmou a promotora de Justiça Cristina Corso Ruaro, da Promotoria de Defesa do Consumidor, em nota divulgada à imprensa.

Empresa não foi notificada

O advogado Alexandre Marcos Gohr, que representa a Da Ilha, disse que a empresa não foi notificada oficialmente sobre a decisão. Ele garantiu que o produto não explode e informou que a empresa desconhece qualquer caso de acidente com seu produto. Gohr afirmou, ainda, que o acender tem aprovação do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro), mas que não há exigência de registro na Anvisa, por não ser um produto de uso farmacêutico.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.