i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde

Apenas 10% dos hipertensos fazem controle adequado da pressão arterial

  • PorAgência Estado
  • 23/09/2008 19:52

Apesar de atingir 30% dos brasileiros adultos, ser responsável por 40% dos enfartes e 80% dos casos de acidente vascular cerebral (AVC), a hipertensão tem baixa adesão dos pacientes ao tratamento. Apenas 10% dos hipertensos fazem o controle adequado da pressão arterial. O preço dos medicamentos e a atenção dos médicos são alguns dos fatores que explicam a situação.

Pesquisa realizada pelo nefrologista Décio Mion, chefe da Unidade de Hipertensão do Hospital das Clínicas (HC), revela que 89% dos pacientes consideram caros os remédios indicados para o controle da doença. "Esse é um dado importante, mas o determinante mesmo é a relação com o médico", diz o nefrologista

Dos mais de mil pacientes entrevistados, 76% afirmaram estar insatisfeitos com o atendimento dos médicos e procuram outro especialista. "Para iniciar o tratamento, o paciente precisa estar convencido de que tem uma doença", diz. Isso nem sempre acontece, pois a hipertensão evolui de forma silenciosa. Na maior parte das vezes, os sintomas começam a aparecer quando já há o comprometimento de órgãos como o rim e o coração.

A baixa adesão ao tratamento, afirma Mion, é uma das principais queixas dos médicos e normalmente associada ao nível socioeconômico dos pacientes. Porém, a pesquisa, patrocinada pelo laboratório Novartis, revela que 79% dos entrevistados dizem que gostariam de ter mais relação com o médico, 84% gostariam de ter mais informações da doença e 91% gostariam que o médico entrasse em contato após a consulta.

"Uma forma de melhorar a adesão é a participação de um segundo profissional, como uma enfermeira, que pudesse ligar para os pacientes após as consultas e verificar se ele está controlando a doença", diz.

A adesão, no entanto, nem sempre parece ter relação direta com o nível socioeconômico ou com o conhecimento sobre a doença. Um outro estudo feito por Mion - esse com funcionários do próprio HC - mostrou que apenas 35% dos médicos hipertensos fazem o controle correto da doença.

GASTOS

Uma medida do impacto da falta de prevenção e tratamento da hipertensão é o gasto do Sistema Único de Saúde (SUS) com as doenças cardiovasculares. No ano passado, 227.885 cirurgias foram feitas no Brasil decorrentes de problemas originados pela hipertensão. Isso correspondeu a um gasto de R$ 873 milhões. Este ano, a quantia já chega a R$ 318 milhões.

A Política Nacional de Atenção Integral a Hipertensão Arterial e ao Diabete, do Ministério da Saúde, proporciona o tratamento na rede básica de saúde com acesso a medicamentos básicos. O programa Farmácia Popular também disponibiliza remédios para a hipertensão, como o propranolol, captopril e enalapril, vendidos a baixo custo. Um dos maiores problemas, no entanto, para o tratamento continua sendo o tabagismo, por agravar o risco cardiovascular. "É preferível ser obeso e hipertenso do que ser fumante", afirma a cardiologista Jaqueline Issa, diretora do Programa de Tratamento do Tabagismo do Instituto do Coração (Incor).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.