Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Membros do partido devem conversar com os indígenas durante o dia para tentar estabelecer uma negociação e o partido espera resolver o impasse nas próximas horas | Henry Milleo/Agência Gazeta do Povo de Notícias
Membros do partido devem conversar com os indígenas durante o dia para tentar estabelecer uma negociação e o partido espera resolver o impasse nas próximas horas| Foto: Henry Milleo/Agência Gazeta do Povo de Notícias

Índios bloqueiam BR-373 em Mangueirinha por seis horas

Outro grupo indígena realizou protestos contra a suspensão dos processos de reconhecimento de terras indígenas na manhã desta segunda (3). Os manifestantes bloquearam a BR-373, nos quilômetros 441 e 460, em Mangueirinha, por volta das 9 horas, mas o tráfego foi liberado por volta das 15 horas. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou que cerca de 200 pessoas, a maioria crianças e mulheres, participaram da manifestação.

  • Movimentação em frente à sede do PT
  • 30 pessoas entram no escritório, que fica na Alameda Princesa Isabel, no bairro São Francisco, com o objetivo de suspender as atividades no local durante um dia
  • Casa Civil, por meio da assessoria de imprensa, relatou que a ministra Gleisi Hoffmann vai receber os manifestantes em uma reunião em Brasília
  • Curitiba: ocupação da sede estadual do PT

Indígenas que ocuparam a sede estadual do Partido dos Trabalhadores (PT) por voltas das 8 horas desta segunda-feira (3), em Curitiba, deixaram o local no final da tarde de hoje. A ação paralisou as atividades no local durante o dia. Cerca de 30 representantes da população indígena ocuparam o escritório, que fica na Alameda Princesa Isabel, no bairro São Francisco, com o objetivo de protestar contra a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann (PT), em relação à titulação de terras indígenas no Paraná e exigir que o governo assine a demarcação das terras indígenas.

Segundo o líder do movimento, cacique Cretã Kaingang, a ministra suspendeu 11 processos de reconhecimento de terras indígenas chamados de portarias declaratórias. O cacique explicou que uma audiência com a ministra da Casa Civil, lideranças indígenas e com representantes do Ministério da Justiça foi agendado para o dia 11 de junho, às 15 horas. "A manifestação atingiu o objetivo que queríamos", afirmou Kaingang. A assessoria da Casa Civil relatou que a ministra Gleisi Hoffmann vai receber os manifestantes em uma reunião em Brasília, mas não confirmou a data.

A portaria declaratória é um documento que antecede o reconhecimento de fato de uma determinada terra indígena. O processo inicia com este documento e segue um trâmite de laudos técnicos e estudos antropológicos até que um determinado terreno seja reconhecido como indígena. De acordo com Kaingang, este trâmite pode demorar até 20 anos.

"No Mato Grosso do Sul foi suspensa a portaria declaratória daquela região e o juiz mandou retirar os indígenas das terras. Eles reagiram e acabaram morrendo parentes (como se referem a índios de outras etnias)", disse Cretã Kaingang.Atividades suspensas

A assessoria do Partido dos Trabalhadores (PT) do estado informou que não houve atividades na sede entre as 8 e 15 horas por conta da manifestação. De acordo com o órgão, uma reunião no início da tarde foi realizada com alguns representantes do movimento, que possibilitou o fato do agendamento da audiência do dia 11 de junho fosse programada com a ministra Gleisi Hoffmann sobre o assunto.

Funai perde força

A disputa entre representantes de grupos indígenas e ruralistas no Congresso Nacional ganhou novo destaque nas últimas semanas após a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann suspender a demarcação de terras indígenas no estado do Paraná e Rio Grande do Sul. Essa interrupção faz parte da nova regulamentação de delimitação do território indígena que o governo pretende anunciar até o final deste semestre.

Com a mudança, os dados e relatórios coletados pela Fundação Nacional do Índio (Funai), órgão ligado ao Ministério da Justiça, não seriam suficientes para, sozinhos, determinarem a homologação de uma terra, como ocorre atualmente. Para essa demarcação, seriam necessários estudos de outros órgãos, como a Empresa Brasileira e Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e os Ministérios da Agricultura e do Desenvolvimento Social.

A medida, aplaudida pelos ruralistas e recebida com protestos pelos povos indígenas, pode representar um avanço à proposta de emenda constitucional (PEC) número 215. Nesta proposta, os critérios de demarcação deixariam de ser definidos pela Funai e passariam a ser competência do Congresso. Desta maneira, haveria uma inversão das atribuições do poder Executivo para o Legislativo.

Entre as objeções às novas regras que determinariam as terras indígenas, estão a de que o Congresso não teria qualificação técnica para atuar nessa situação. Em seu discurso na Casa, a ministra-chefe da Casa Civil rebateu algumas das críticas alegando que o governo reconhecia a força e a importância do setor, por isso outros órgãos também fariam estudos sobre as demarcações.

Veja fotos da ocupação da sede do PT em Curitiba

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]