i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
saúde

Bebê morre em Goiás após dez dias internado e pai culpa falta de cirurgião

Prefeitura de Goiânia diz que vai investigar causas da morte. Médicos que atendiam pelo SUS pediram descredenciamento em dezembro

  • PorG1/ Globo.com
  • 21/09/2010 16:17

Um bebê com 20 dias de vida morreu nesta segunda-feira (20) em um hospital de Goiás após dez dias internado. Segundo os pais da criança, o menino tinha um problema na artéria aorta e precisava de uma cirurgia. "Desde o dia 14 esperávamos pela operação. Era urgente e sabíamos do risco de morte. No balcão do atendimento do hospital diziam que não havia médico para operá-lo e que tínhamos de esperar uma vaga em um hospital de outro estado", disse ao G1 o pai do bebê, o administrador Danilo Castro Oliveira, de 40 anos.

Em dezembro do ano passado, uma cooperativa de cirurgiões pediu descredenciamento junto ao Sistema Único de Saúde (SUS) por não aceitar o valor pago pela cirurgia cardíaca: R$ 894.

Segundo o presidente da cooperativa, Wilson Mendonça Junior, a quantia prevista pela Associação Médica Brasileria é de cerca de R$ 6 mil. "Não somos empregados nem do estado nem do município. Por isso, não temos obrigação de trabalhar por este valor tão baixo", afirmou Mendonça.

O diretor de regulação e controle da Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia, Fernando Machado de Araújo, disse ao G1 que foi aberta uma sindicância para levantar as causas da morte do bebê. "Se havia uma indicação emergencial da cirurgia ela tinha de ser feita. Urgência não se discute, atende e pronto", disse.

Em nota, a Secretaria de Saúde do Estado de Goiás informou que acompanha as negociações junto à cooperativa de médicos e que solicitou uma reunião com o Ministério da Saúde. Ainda, de acordo com a secretaria, há o trabalho de inserção de pacientes no Cadastro Nacional de Regulação Alta Complexidade (CNRAC), do Ministério da Saúde.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.