i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Polêmica

CFM defende aborto e causa debate em Brasília

Conselho Federal de Medicina quer autorizar a interrupção da gravidez até a 12ª semana de gestação. Ministro da Saúde diz que não irá mudar a lei sobre o tema

  • PorAgência Estado
  • 21/03/2013 21:07
Roberto D’Ávila, presidente do CFM, quer “deflagrar nova discussão” sobre o assunto no Brasil | Antônio Cruz/ Abr
Roberto D’Ávila, presidente do CFM, quer “deflagrar nova discussão” sobre o assunto no Brasil| Foto: Antônio Cruz/ Abr

No mundo

Veja como diferentes países tratam a questão:

Uruguai

A lei não penaliza a interrupção da gravidez nas 12 primeiras semanas de gestação. Mas, para realizar o aborto, a mulher deve conversar com uma equipe interdisciplinar, e apenas após cinco dias de "reflexão" poderá realizar a medida.

Irlanda

Só é permitido se for a única forma de salvar a vida da mãe.

Estados Unidos

É determinado pelos estados. Alguns penalizam a prática, outros não.

Canadá

O aborto não tem restrições, e a lei não indica um limite gestacional.

Alemanha

Não condena a interrupção da gravidez desde que ocorra até a 14ª semana gestacional.

China

A lei não indica um limite gestacional, mas a regulamentação das regiões pode variar.

Egito

A lei é rígida e não abre exceções.

Paraguai

É permitido apenas para salvar a vida da mãe.

A legislação atual

A prática do aborto está tipificada como crime no Código Penal nos artigos 124 a 127. A lei não pune a realização do ato praticado por médico quando não houver outro meio de salvar a vida da gestante, e também no caso de gravidez resultante de estupro.

A defesa feita pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) para a liberação do aborto até a 12.ª semana de gestação provocou uma imediata reação entre parlamentares em Brasília, ontem. Presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa Permanente da Família Brasileira, o senador Magno Malta (PR/ES) já avisou que vai organizar uma manifestação no Congresso Nacional.

Para ele, a proposta seria o mesmo que "promover a morte em série no país". A data está marcada: terça-feira.

Defensores da descriminalização do aborto, por sua vez, dizem que aproveitarão o documento do CFM para retomar o debate no Congresso. "As mulheres continuam morrendo em consequência do aborto inseguro. Isso tem de mudar", afirmou o presidente da Frente Parlamentar de Saúde, Darcísio Perondi (PMDB/RS). "Quem sabe agora o Executivo aproveita a oportunidade e revê sua posição sobre o assunto", completou.

O ministro da Saúde, Ale­­xandre Padilha, reagiu afirmando que o governo fe­­de­­ral, desde o começo, disse que não tomaria nenhuma medida no sentido de mudar a lei atual do aborto no Brasil. Questionado sobre sua posição pessoal, respondeu: "Sou ministro da Saúde, sou governo".

Polêmica

O CFM se pronunciou em defesa da liberação do aborto até a 12.ª semana de gestação na quarta-feira. O colegiado vai enviar à comissão do Senado que cuida da reforma do Código Penal um documento sugerindo que a interrupção da gravidez até o terceiro mês seja permitida, a exemplo do que já ocorre nos casos de risco à saúde da gestante ou quando a gravidez é resultante de estupro.

O gesto tem um claro significado político. "Queremos deflagrar uma nova discussão sobre o assunto e esperamos que outros setores da sociedade se juntem a nós", afirmou o presidente do CFM, Roberto D’Ávila. A entidade nunca havia se manifestado sobre o aborto.

A movimentação em torno do tema vem perdendo força nos últimos anos, fruto sobretudo de um compromisso feito pela presidente Dilma Rousseff com setores religiosos, ainda durante a campanha eleitoral. Diante da polêmica e das pressões sofridas de grupos contrários à legalização do aborto, a então candidata amenizou o discurso e se comprometeu a não adotar nenhuma medida para incentivar novas regras durante seu governo.

Posição divide médicos e pesquisadores

Kamila Mendes Martins

A posição do órgão que representa a classe médica não é unânime no meio científico. Nem mesmo entre os médicos há consenso sobre o tema – a própria entidade divulgou em seu site que a decisão não contou com o apoio de todos os 27 CRMs do país.

Além disso, pesquisadores afirmam que não existe justificativa para se determinar um período limite para o aborto. "Sob o ponto de vista biológico, não há publicações que atestem que antes das 12 semanas de gravidez o feto não é um ser vivo", diz o pró-reitor de pesquisa e pós-graduação de embriologia da PUCPR, Waldemiro Gremski.

Segundo ele, a diferença entre um embrião de duas semanas e um de 30 é o número de células. Um não poderia ter "mais direito à vida do que o outro". E há mais críticas à entidade. O CFM, ao propor uma mudança legislativa, estaria extrapolando os limites de sua função, de acordo com a professora do Instituto de Biologia da Universidade de Brasília Lenise Garcia. "A missão do conselho é fazer com que a legislação seja cumprida pelos médicos e não a de solicitar mudança de legislação."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.