i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Daniel Medeiros

Contar histórias: ficção de verdade!

  • 04/10/2014 21:03
 |
| Foto:

Parece mentira que estou pisando o solo sagrado no qual as palavras mágicas do grande mestre Luis Fernando Verissimo passeiam quando ele não está em férias. Mas o destino e as fadas do dente realmente existem e esse desejo me foi realizado. Começo, então, minha reflexão domingueira com uma citação de Verissimo, para garantir pelo menos elogios a esse trecho do texto. Disse ele: "Sempre escrevemos para recordar a verdade. Quando inventamos, é para recordá-la mais exatamente".

Sou professor de História e minha prática tem dois senhores formadores, dois balizamentos fundamentais: Heródoto e Tucídides. Há entre eles diferenças que aproximam o primeiro do contador e o segundo do cientista. Para Heródoto, a história oral e o testemunho foram a base do seu trabalho, convertido em uma narrativa rica e sedutora, uma Sherazade aos ouvidos curiosos e surpresos dos jovens gregos. Tucídides, por sua vez, considerava a memória frágil, a narrativa falha e os testemunhos confusos. História, para ele, se fazia com a reconstituição crítica dos acontecimentos, fundamentados no critério de verossimilhança e por meio de uma linguagem sóbria e pertinente. Era como o acadêmico que pesquisa e expõe, demonstrando os fatos e destacando permanências e mudanças, causas e consequências, estruturas e conjunturas. Ou seja, sai o cronista, entra o analista. E a emoção, o prazer, o maravilhoso são, muitas vezes, obscurecidos pelo rigor e pela racionalidade técnica. Sai a oralidade e suas variações e entra a escrita como garantidora da versão oficial. Para Heródoto, o passado é contado para os presentes; para Tucídides, para o futuro.

Conto histórias para os presentes e parto sempre das perguntas do presente. As eleições de hoje, por exemplo, permitiram-me falar aos meus alunos sobre nossos parcos períodos democráticos, as crises de Getúlio, Jânio e Jango, o drama de Collor. Também permitiram-me falar de nossos momentos de esperança e utopia, como a anistia, as Diretas Já, a Constituição "cidadã". E conto com a cabeça nos fatos, mas um pé na crônica e outro no conto. Aumento um ponto, enfeito um pouco, amplio a tensão, dou vez ao humor de uma brincadeira ou uma frase de duplo sentido, o que é pouco diante dos tantos sentidos das coisas.

Sinto que o importante não é propriamente o conteúdo que meus alunos aprendem, mas a sensação de pertencimento a estas histórias que os envolve e motiva. Misturo um pouco o que aconteceu e o que poderia acontecer, um pouco do passado que já foi e um pouco do presente que ainda é e, portanto, está aí para ser mudado.

Não penso haver sentido em imaginar a ficção literária como uma mera "versão" dos fatos, uma "leitura" do autor e, portanto, uma referência não científica, incapaz de abordar de maneira "adequada" determinado campo de saber. O texto escrito (ou narrado em uma sala de aula) é, irreversivelmente, "literário". A narrativa que conta algo busca o encontro do ouvido ávido por sentido e graça. E, quando encontra, repercute, faz a história ganhar vida e força na cadeia de transmissão das coisas que se tornam merecedoras de replicação entre as pessoas. E vai mais um ponto ao conto. Tessituras.

Como lembrou o historiador inglês do século 19 Arthur Helps, "se você pretende compreender a sua própria época, leia as obras de ficção produzidas nela. As pessoas, quando estão vestidas em fantasias, falam sem travas na língua".

Ou seja: volta logo, Verissimo!

Dê sua opinião

O que você achou da coluna de hoje? Deixe seu comentário e participe do debate.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.