i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
TRANSPORTE COLETIVO

Conselheiro do TCE adia votação sobre a tarifa do transporte para analisar a ‘nova RIT’

  • PorRaphael Marchiori
  • 26/02/2015 16:35

Prevista para ocorrer nesta quinta-feira (26), a votação do relatório de auditoria da tarifa pelo pleno do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) foi adiada depois de um pedido de vistas feito pelo conselheiro Ivens Linhares. A solicitação ocorreu para que a auditoria seja reavaliada diante das recentes mudanças na integração empregadas pelo governo do estado. O processo do tribunal pede a anulação da licitação do transporte coletivo de Curitiba e região e também a redução da tarifa em 16,7% em função de irregularidades encontradas pelos auditores do órgão no cálculo tarifário.

Em regra, um pedido de vistas no órgão pode durar até quatro sessões do pleno. Elas são realizadas sempre às quintas-feiras. Mas Linhares, que também é vice-presidente do TCE-PR, disse que analisará o processo ‘o quanto antes’. O conselheiro fez o pedido por conta das recentes mudanças empregadas pelo governo do estado na integração metropolitana.

Advogados da Urbs e empresas de ônibus puderam se pronunciar durante a sessão de hoje. A empresa ligada à prefeitura de Curitiba havia pedido, na tarde da última quarta-feira (25), o adiamento da votação alegando cerceamento do direito de ampla defesa. Ela também pedia que a Comec, órgão do estado, fosse ouvida no processo. Segundo o TCE-PR, seis recursos administrativos protelatórios já haviam sido analisados e negados pelo órgão.

O mandado de segurança, impetrado pela Urbs no Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR), foi negado horas depois pelo desembargador Guilherme Freire de Barros Teixeira

Também participaram da sessão de hoje representantes da Plenária do Transporte – grupo formado por entidades sindicais para pedir a anulação da licitação do transporte coletivo. Em seu discurso, o advogado João Luiz Nazareno da Silva, que representava os sindicatos, reafirmou a tese defendida pelas entidades para pedir um novo pleito.

“O edital pedia uma frota que já era utilizada pelas empresas e eles ainda pagaram um valor [de outorga] com dívidas que tinham com o município. Isso caracteriza a formação de cartel.”

O Relatório do TCE-PR

O processo do TCE-PR é relatado pelo conselheiro Nestor Baptista. O relatório, divulgado setembro de 2013, mostrou que a tarifa do transporte coletivo de Curitiba poderia ser 16,7% menor do que a vigente à época -- de R$ 2,70. O documento relaciona 40 irregularidades.

Entre as principais falhas apontadas estão indícios de cartelização do sistema, irregularidades na composição de custos e concessão de gratuidade e fragilidade da fiscalização do Sistema de Bilhetagem Eletrônica, que afere a quantidade de passageiros transportados diariamente. Além da tarifa menor, a equipe de auditoria recomendou a anulação da licitação que deu origem aos contratos vigentes e a realização de uma nova concorrência.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.