i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Godoy Moreira

Deficientes confessam homicídio

  • PorHélio Strassacapa e Rúbia Pimenta
  • 24/04/2009 21:09

Maringá - Três adolescentes foram detidos na quarta-feira, suspeitos de matar o agricultor Joel Esteves de Brito, de 45 anos, no dia 15 de abril, na zona rural de Godoy Moreira, Centro do estado. Os rapazes, portadores de deficiência mental, teriam assassinado a vítima com sete facadas e depois tentado esconder o corpo na beira de um córrego. Eles confessaram o crime na frente dos conselheiros tutelares e alegaram que a vítima estava assediando a mãe de dois deles, de 14 e 17 anos.

De acordo com o investigador Adilson Ferreira Gomes, da delegacia de São João do Ivaí, a mãe confirmou que havia sido assediada por um vizinho, mas que não se tratava do agricultor esfaqueado. Os jovens abordaram o vizinho, que negou o fato e apontou Brito como responsável pelo assédio. O agricultor colhia soja em sua propriedade quando foi abordado e morto. O corpo foi encontrado 20 horas depois.

O terceiro envolvido, de 14 anos, era amigo dos outros dois. Os três estudavam juntos na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Godoy Moreira.

A Justiça expediu autorização de apreensão por 45 dias e os três estão na delegacia de São João do Ivaí, em cela separada dos demais presos e com acompanhamento de conselheiros tutelares. Segundo Gomes, os três tomam medicação controlada todas as noites.

O vice-diretor da Apae, Marcelo Pavaneli, se diz chocado. "Eles estudam há três anos na escola e nunca tiveram comportamento agressivo. São muito tranquilos, amigos de todos", afirma.

Segundo Pavaneli, um psicólogo e um neurologista emitiram ontem laudo afirmando que os jovens têm deficiência mental leve. De acordo com o delegado, se for confirmada a deficiência mental, a pena deles pode ser atenuada.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.