i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Nem tão incomum

Diagnóstico levou mais de um ano

  • PorCecilia Valenza
  • 07/12/2008 21:11

Uma brincadeira com o avô fez com que a família percebesse, pela primeira vez, que havia algo diferente em Beatriz, na época com 3 anos e meio. "Meu sogro estava brincando com ela, contando os dedinhos, e percebemos que ela não esticava os dedos direito. Depois percebemos que ela também não esticava totalmente as perninhas", conta o pai, Amauri Camargo. A dúvida foi levada ao pediatra, que acabou tranquilizando a família dizendo que "era normal e ia melhorar". Sem sinais de melhora, os pais levaram Beatriz a um ortopedista. O especialista quis fazer uma cirurgia para corrigir o problema. Ainda desconfiados do diagnóstico, os pais não permitiram.

Moradores de Sabáudia, cidade próxima a Arapongas, no Norte do estado, Amauri e a esposa decidiram levar a menina a um clínico geral em Campinas, onde ficaram cerca de um mês para realização de uma série de exames. "Só que lá não tinha departamento de genética, e continuamos sem saber o que a menina tinha", lembra o pai. A família seguiu então para a Unicamp, onde um teste genético apontou que Beatriz sofria de mucopolissacaridose (doença metabólica hereditária em que o organismo não produz determinadas enzimas usadas no processo de digestão). O palavrão e a descoberta de que se tratava de uma doença rara só serviram para que a família ficasse ainda mais apavorada.

Desde as primeiras suspeitas até o diagnóstico, se passou mais de um ano. Depois de identificado o problema, começaram as dificuldades com o tratamento. Na época, as terapias disponíveis eram experimentais. "Ela tinha que fazer umas culturas de pele, cada uma custava mais de US$ 500", conta Amauri. A família arcou com todos os custos. Somente em 2003 surgiu um medicamento aprovado para tratamento e que passou a ser oferecido pelo governo. Desde então, a cada 15 dias Beatriz, hoje com 19 anos, precisa ir ao hospital receber a medicação. São três horas e meia conectada a um aparelho. Por mês, o tratamento não sai por menos de R$ 7 mil. "É algo fora de cogitação para quem ganha R$ 900", comenta o pai.

Nesses dez anos, o fornecimento já foi interrompido duas vezes. "Em uma delas, a Beatriz ficou sem tratamento por quatro meses. A regressão foi visível", comenta. Depois de entrar com uma ação judicial, o pai conseguiu garantir a medicação. "Não é fácil, são muitas dificuldades", lamenta. O Paraná não tem nenhuma associação para portadores de mucopolissacaridose. "São Paulo e Santa Catarina têm. Estamos tentando organizar algo parecido aqui. Assim fica mais fácil a articulação", diz.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.