i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Antropologia

Em busca da origem da ocupação nas Américas

  • PorAgência Estado
  • 27/08/2010 21:19

Sepultamentos descobertos no Parque Nacional da Serra das Confusões, no Piauí, poderão reforçar a busca por respostas científicas para um hiato que marca as pesquisas sobre a ocupação humana nas Américas. Há décadas, antropólogos se perguntam como teria ocorrido a suposta substituição de uma população pré-histórica por outra no continente. A tese surgiu com os estudos do crânio de Luzia, descoberto na década de 1970 e considerado até o momento a primeira brasileira e o primeiro fóssil humano das Américas.

A jovem mulher que viveu há aproximadamente 11 mil anos na região de Lagoa Santa (MG) tinha feições negróides e era, provavelmente, descendente da primeira migração da Ásia, com características distintas dos índios modernos.

Equipes da Fundação Mu­­seu do Homem Americano (Fumdham) empreenderam prospecções em 2008 e 2009, que resultaram no cadastro de 110 sítios arqueológicos. Em dois deles, escavações revelaram esqueletos de indivíduos adultos e crianças e fragmentos de ossos humanos queimados.

A importância da descoberta está nas primeiras datações obtidas no início de 2010: entre aproximadamente 5 mil e 8 mil anos atrás. É justamente nessa faixa cronológica que os pesquisadores acreditam que no continente passou a habitar uma população com características mongolóides dos povos indígenas brasileiros.

Os estudos mais avançados nessa direção estão sendo coordenados por professores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) a partir de esqueletos encontrados no sítio Caixa D’Água, em Buritizeiro, no norte do estado. Descoberto no início dos anos 1980, o sítio teve a exploração encerrada em 2007. De lá foram retirados 45 esqueletos adultos e encaminhados para o Laboratório de Estudos Evolutivos Humanos da Uni­ver­­sidade de São Paulo (LEEH/USP), que será responsável por indicar as características morfológicas desses antigos americanos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.