i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
basta de perseguição

Em repúdio a ameaças, jornalistas fazem manifestação em Londrina

Ato lembrou ameaças sofridas por profissionais que cobriram desdobramento de operações do Gaeco na cidade do Norte do Paraná

  • PorTatiane Salvatico, do Jornal de Londrina
  • 15/05/2015 14:44
 | Roberto Custódio/Jornal de Londrina
| Foto: Roberto Custódio/Jornal de Londrina

Jornalistas realizam, na manhã desta sexta-feira (15), no Calçadão de Londrina, no Norte do Paraná, uma manifestação contra a perseguição sofrida por alguns profissionais da área no Paraná. Em abril, jornalistas do Grupo Paranaense de Comunicação (GRPCom) – do qual fazem parte o Jornal de Londrina, a Gazeta do Povo e a RPC –, que cobriam operações investigadas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), como a de favorecimento à prostituição de crianças e adolescentes e as operações Publicano e Valdemort, receberam ameaças de morte.

Jornalistas fazem ato em Curitiba contra perseguições

No Dia Internacional da Liberdade de Imprensa, profissionais chamam a atenção para a pressão contra investigações jornalísticas

Leia a matéria completa

A manifestação em Londrina é organizada pela Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Paraná (Sindijor-PR) e o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Norte do Paraná. O Ato Público também marca o lançamento da campanha estadual contra as intimidações: “Basta de perseguição a jornalistas”, e celebra o dia da Liberdade de Imprensa, comemorado em 3 de maio.

Como lembrou os organizadores do evento, a liberdade de imprensa é um direito dos jornalistas de fazer circular livremente as informações, um pressuposto para garantir a democracia. O contrário dela é a censura que limita o poder de ação da imprensa, uma grave ameaça ao exercício profissional dos que cumprem seu papel de investigar e divulgar crimes que acontecem em nosso Estado.

Ameaças

Em abril, uma ligação feita à direção da RPC TV denunciava um suposto esquema para matar o produtor James Alberti, da RPC. A informação é de que havia um plano esquema para assassiná-lo durante um assalto forjado a uma churrascaria de Londrina. Por conta da ameaça, a RPC providenciou a retirada do jornalista da cidade.

De acordo com o promotor Claudio Esteves, coordenador do Gaeco em Londrina, a investigação deste caso é considerada prioridade pelo órgão. “Já começamos a ouvir pessoas sobre este caso e as imagens do hotel onde estava hospedado o jornalista estão sendo analisados por uma equipe especializada”, disse Esteves, no início de maio.

Uma comissão formada por representantes do Sindicato dos Jornalistas do Paraná (Sindijor-PR), Sindicato dos Jornalistas do Norte do Paraná e do Comitê Paranaense de Proteção ao Jornalista também acompanha o andamento das investigações.

As ameaças a James Alberti, somadas a outro episódio ocorrido com jornalistas da Gazeta do Povo, mostram que o Paraná oferece riscos reais e concretos ao trabalho da imprensa.

Neste ano, jornalistas da Gazeta do Povo que produziram da série de reportagens “Polícia Fora da Lei” foram chamados sistematicamente a depor na Polícia Civil e na Polícia Militar, numa tentativa de forçá-los a quebrar o sigilo de fonte – o que é garantido pela Constituição.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.