i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Transporte público

Embrapa diz que não quer ser “usada”

  • PorThemys Cabral
  • 08/02/2010 21:04
Sem-terra em área ocupada em Ponta Grossa: policiais militares vigiam local e pedem para que soja não seja destruída | Henry Milleo/Gazeta do Povo
Sem-terra em área ocupada em Ponta Grossa: policiais militares vigiam local e pedem para que soja não seja destruída| Foto: Henry Milleo/Gazeta do Povo

As áreas do São Francisco I e II estão situadas na região do Bo­­tuquara, em Ponta Grossa, às margens da Rodovia do Talco, a cerca de 10 quilômetros da BR-376. A facilidade de escoamento da produção agrícola é um atrativo da área. Porém, a terra é motivo de uma disputa judicial com a Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias (Em­­brapa) há vários anos. O chefe da assessoria jurídica da Embrapa, Antonio Nilson Rocha, informou ontem que está estudando sua estratégia de defesa perante essa nova ocupação, mas adiantou que "não quer ser novamente usado", como ocorreu nas ocupações anteriores.

O MST promoveu cinco ocupações nas duas áreas sob a alegação de que ela foi grilada pelo ex-policial Waldir Copetti Neves e de que quer transformar a fazenda em área de desapropriação. Atualmente, conforme Rocha, a área está cedida ao Ins­tituto Agronômico do Paraná (Iapar), mas futuramente poderá ser usada para um centro de pesquisa sobre eucalipto.

Ainda segundo Rocha, nas demais ocupações Neves conseguiu reaver a área porque entrou com agravo de instrumento no Tribunal Regional Federal, no Rio Grande do Sul, e o juiz o atendeu enquanto não era julgado o mérito da ação – ou seja, en­­quanto não se decide a quem realmente pertence a área.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.