i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
SAÚDE

Evangélico defende atuação em UTI

  • PorAngieli Maros
  • 05/04/2013 21:16
 | Hugo Harada/Gazeta do Povo
| Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo

Em uma nota concebida para as 11 igrejas evangélicas que fazem parte da Sociedade Evangélica Beneficente (SEB), organização mantenedora do Hospital Universitário Evangélico de Curitiba (HUEC), a diretoria do hospital e da sociedade defendem os procedimentos que são realizados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da instituição de saúde. Esta é a primeira vez que a instituição se posiciona abertamente a favor dos profissionais do hospital acusados de estarem envolvidos na antecipação de mortes de pacientes internados na UTI do Hospital Evangélico.

A nota foi divulgada ontem pela assessoria de imprensa de Elias Mattar Assad, advogado de defesa da médica Virgínia Soares de Souza, uma das suspeitas. No texto, cuja autoria foi confirmada pela assessoria de imprensa do hospital, a SEB diz que, por não poder "calar diante de injustiças (...), principalmente quando o inocente está sendo considerado culpado", acha necessário criar uma "autodefesa, como é necessário também que outros mais entrem em defesa desta instituição que mantém o Hospital Universitário Evangélico de Curitiba".

A instituição reforça que "o tratamento, seja ele medicamentoso ou por aparelhos, é decisão médica" e também que as "decisões de não tratamento, de omissão ou de suspensão de suporte vital não devem ser considerados atos de eutanásia, mas de exercício médico regular", já que "aliviar a dor e o sofrimento é considerado um dever médico, mesmo quando as intervenções implicam que a vida possa ser abreviada como consequência".

A reportagem da Gazeta do Povo entrou em contato com a assessoria de imprensa do hospital para tentar acrescentar informações ao material, mas foi informada de que ninguém falaria sobre a nota.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.