i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde

Farmacêutico aponta causas da automedicação

  • 05/04/2015 21:03

Embora a automedicação não seja problema exclusivo do Brasil, três fatores contribuem para que os índices sejam mais altos no país, na avaliação do farmacêutico Dirceu Raposo de Mello, ex-diretor presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e atual presidente do Conselho Científico do Instituto de Pesquisa e Pós-Graduação para o Mercado Farmacêutico (ICTQ).

Mello começa pela propaganda massiva de fármacos, que pode influenciar tanto a prescrição médica quanto levar ao consumo por conta própria, sem receita. Depois, menciona a “automedicação responsável” preconizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e conclui com a dificuldade de acesso a serviços de saúde no país. A isso tudo, some-se a facilidade de acesso a medicamentos.

Foi na passagem de Mello à frente da Anvisa, entre 2005 e 2011, que a agência reguladora começou a impor restrições à propaganda de medicamentos. Nessa época também foram iniciadas as discussões para outras mudanças que viriam numa resolução de 2012 da Anvisa. Desde então, remédios vendidos sem prescrição médica, como antitérmicos, analgésicos e digestivos, passaram a ter de ficar atrás do balcão (perto daqueles vendidos com receita) e não mais dispostos em gôndolas nas farmácias. (MK)

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.