i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Ensino superior

Fies pode ficar mais “leve”

Projeto que deve ser votado hoje na Câmara dos Deputados pretende melhorar as formas de pagamento do financiamento

  • PorPollianna Milan
  • 15/09/2009 21:04

Programa foi criado há 10 anos

Criado em 1999, o programa de financiamento estudantil é destinado aos alunos universitários que não têm condições de pagar os custos da formação. Normalmente, a família do estudante beneficiado tem renda em torno de três salários mínimos. O financiamento pode ser de 100% do valor da mensalidade, mas geralmente é de 50%. Quando consegue o Fies, o aluno paga durante a graduação, a cada três meses, R$ 50 para "adiantar" os juros. Depois de formado, ele tem seis meses para começar a pagar a dívida.

Dúvida agora é sobre os alunos antigos

A jornalista Bruna Corcini Kala­baide se formou no ano passado e financiou pelo Fies 65% do valor das mensalidades do curso a partir do segundo ano. Ela ainda não conseguiu arranjar emprego e por isso conta com a boa vontade do marido para quitar a dívida. "Pago juros de 6,5% ao ano. É um absurdo. Por mês, o valor da prestação é de R$ 287, mas já me disseram que R$ 189 são apenas os juros. Tenho ainda cinco anos para pagar", conta.

Leia a matéria completa

      Os alunos que entrarem a partir de agora na universidade privada poderão ser beneficiados com um projeto de lei que deve ser votado hoje na Câmara dos Deputados: trata-se de novas regras para o pagamento do Fundo de Finan­ciamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies). Atualmente, o prazo de amortização da dívida é igual ao tempo do curso. O universitário começa a pagar depois de seis meses da conclusão da graduação. Se o projeto for aprovado, o tempo para quitação poderá ser triplicado. Por exemplo: um aluno de Biologia, que estuda durante quatro anos, poderá pagar a dívida em 12 anos.O projeto de lei também prevê benefício específico para médicos e professores: depois de formados, eles poderão pagar o financiamento com trabalho. O desconto, mensal em folha de pagamento, será de 1% da dívida total e o prazo para a amortização é de oito anos e quatro meses. A regra vale para profissionais que trabalharem em escolas e órgãos públicos e o abatimento começa após um ano de vínculo empregatício.

      "Os médicos terão o emprego, de certa forma, garantido porque temos nas cidades do interior uma demanda maior do que a procura. Já os professores terão de fazer concurso público para conseguir a vaga", explica o deputado federal Gilmar Machado (PT-MG), um dos autores do projeto. Um pedagogo que financiar 100% do curso vai pagar cerca de R$ 285 por mês, em oito anos e meio (o valor é apenas uma estimativa).

      Durante as discussões do projeto de lei, foi cogitada a hipótese de se ampliar o benefício para outras profissões. Machado acredita que isso não será aprovado, contudo, porque o Fies é um fundo alimentado pelo dinheiro dos alunos formados que pagam o financiamento e, ainda, recebe parte das mensalidades de gra­­duandos que não aderem ao Fies.

      O projeto de lei pode ser aprovado hoje, em única votação. Depois vai para o Senado, onde será votado também uma única vez e, então, segue para sanção presidencial. Cada casa tem um prazo de 45 dias para voto.

      O projeto pretende estender o benefício também a alunos de cursos técnicos e profissionalizantes e ainda eliminar a figura do fiador exigida nos contratos – um dos principais empecilhos aos estudantes.

      Juro menor

      O presidente Luiz Inácio Lula da Silva já pediu para que o Conselho Monetário Nacional aceite o corte dos juros para o Fies, que deve ficar em 3,5% ao ano para todos os cursos. A redução dos juros para os novos alunos não depende da aprovação do projeto de lei e deve ser, em breve, colocada em prática. Desde 2007, os cursos de licenciatura têm juros de 3,5% ao ano; as demais graduações, entretanto, tinham juros de 6,5% ao ano.

      Com a nova taxa, um curso de Pedagogia, por exemplo, vai ter cerca de R$ 3,6 mil de juros em um financiamento de 100%. Antes disso, com a taxa em 9% ao ano, pagava-se de juros aproximadamente R$ 9,9 mil. Os cálculos são subestimados, porque não levam em conta as atualizações dos valores das mensalidades e servem apenas para ilustrar como a mudança refletirá no bolso do aluno.

      * * * * *

      Interatividade

      É certo recalcular os juros do Fies para os alunos com contratos antigos?

      Escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

      As cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

      Deixe sua opinião
      Use este espaço apenas para a comunicação de erros
      Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      Máximo 700 caracteres [0]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.