i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Crise

Filantrópicos não param, mas protestam

Manifestação de hoje cobra reajuste da tabela do SUS a hospitais e Santas Casas. No país, dívidas chegam a R$ 15 bilhões

  • PorBruna Komarchesqui
  • 24/09/2014 21:05
Hospital Pequeno Príncipe destina 260 dos 390 leitos ao SUS. Déficit compromete investimentos | Antônio More/ Gazeta do Povo
Hospital Pequeno Príncipe destina 260 dos 390 leitos ao SUS. Déficit compromete investimentos| Foto: Antônio More/ Gazeta do Povo

Aos candidatos

A Femipa entregará aos candidatos ao governo do Paraná um documento com as reivindicações do setor. Ontem, já havia conseguido agendar com as candidaturas de Gleisi Hoffmann e Beto Richa. Veja algumas das 14 propostas:

• Pagamento em dia dos valores relativos aos serviços prestados ao SUS;

• Criação de uma linha de crédito especial pela Fomento Paraná, com garantia do governo do estado;

• Redução da alíquota de ICMS dos serviços que atendem o SUS;

• Implantação de uma tarifa social equivalente a 50% de desconto na energia elétrica das instituições;

• Criação de um fundo de reequipamento, conservação e ampliação predial;

• Suplementação da tabela dos serviços por parte do estado

• Investimento em treinamento e qualificação técnica.

Neste Dia Nacional de Luto pela Crise das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos, as instituições de Curitiba decidiram não aderir à paralisação da assistência eletiva, como havia definido o movimento. Na capital, o apoio às reivindicações do setor se dará por meio do uso de roupas e braçadeiras pretas pelos servidores e de um ato público em frente dos hospitais, por volta de meio-dia. Os filantrópicos reclamam dos valores repassados pelo SUS, que cobririam apenas 60% dos custos dos procedimentos, gerando o endividamento progressivo das instituições.

Segundo o presidente da Federação das Santas Casas de Misericórdia e Hospitais Beneficentes do Paraná (Femipa), Luiz Soares Koury, a dívida dos filantrópicos brasileiros com os bancos chega a R$ 10 bilhões, e os impostos não pagos somam outros R$ 5 bilhões. O valor quase se iguala aos R$ 18,1 bilhões repassados pelo governo federal à saúde neste ano. "Tentamos o diálogo há anos, mas as coisas mudam muito pouco. A informação que tenho é que todos vão aderir, até por uma questão de sobrevivência. A orientação é que as consultas e cirurgias eletivas [de hoje] tenham sido remarcadas." No Paraná, 60 hospitais são filiados à Femipa.

Koury destaca que a intenção da paralisação não é prejudicar a população, mas conseguir apoio para a luta dos hospitais. "Há particularidades que temos de respeitar. Queremos alertar o paciente, para que ele nos ajude a fazer pressão. Nossa briga não é com o paciente, mas com Brasília." Em Curitiba, os filantrópicos decidiram não cancelar as agendas eletivas, em respeito aos pacientes que esperam há bastante tempo pelas consultas.

"Apoiamos o movimento, com faixas no hospital, mas não fecharemos a agenda. A maioria dos nossos pacientes tem câncer. Não podemos colocar outros interesses à frente", justifica o diretor administrativo do Hospital São Vicente, Luiz Eduardo Blanski. No Pequeno Príncipe, que tem 260 dos 390 leitos destinados ao SUS, o mesmo procedimento será adotado. Na hora do almoço, funcionários e pais de pacientes devem se dirigir ao lado externo, vestidos de preto, para manifestar apoio à luta nacional. "As crianças não têm nada com isso, o respeito a elas prepondera sobre a paralisação", ressalta José Álvaro Carneiro, diretor-geral corporativo do complexo Pequeno Príncipe. "Receber menos do que o serviço custa gera problemas operacionais complexos e proíbe condições de melhoria, de investir em equipamentos, capacitação, inovação e pesquisa."

À reportagem, as assessorias dos hospitais Santa Casa, Cajuru e Nossa Senhora das Graças afirmaram que não vão cancelar procedimentos eletivos. No Evangélico, a reivindicação de reajuste da tabela SUS será feita por meio de um ato público, a partir das 10 h de sábado, na praça Alfredo Andersen. O "Abrace o Evangélico" também pretende divulgar a campanha permanente de doações "Ajude o Evangélico".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.