Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Ação devastadora do homem coloca várias espécies, como o caranguejo, em risco | Daniel Castellano/Gazeta do Povo
Ação devastadora do homem coloca várias espécies, como o caranguejo, em risco| Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo

Foram divulgados nesta semana os resultados do Censo da Vida Marinha, um projeto internacional que vasculhou, pesquisou e inventariou a biodiversidade de todos os ecossistemas marinhos do planeta. Segundo os dados compilados de uma década de pesquisa, os oceanos abrigam mais de 1 milhão de espécies de fauna e flora, das quais 250 mil (25%) já foram descritas pela ciência, desde algas minúsculas até baleias gigantescas. Sem contar as espécies de micróbios, estimadas em mais de 1 bilhão.

Os números da pesquisa necessária para chegar a essas estimativas são igualmente impressionantes. Mais de 2,7 mil cientistas contribuíram com informações para o censo. Foram realizadas 540 expedições marítimas, totalizando mais de 9 mil dias de pesquisa no mar. Sem contar o tempo de pesquisa em terra, nos laboratórios de 670 instituições, distribuídas por mais de 80 países (incluindo o Brasil). Tudo isso ao custo de US$ 650 milhões, pagos por centenas de fundações e organizações.

Os resultados práticos estão distribuídos por mais de 2,6 mil trabalhos científicos publicados ao longo da década, agora compilados numa série de livros, mapas e ferramentas digitais de apoio à pesquisa. A principal delas é o Sistema de Informações Biogeográficas Oceânicas, um banco de dados público na internet com informações sobre a biologia e a distribuição de mais de 120 mil espécies marinhas.

Os cientistas fizeram um pente-fino em todos os ecossistemas oceânicos, desde praias até planícies abissais, milhares de metros abaixo da superfície. E encontraram vida em todos. Das 250 mil espécies já conhecidas, cerca de 1,2 mil foram coletadas e descritas pelo projeto. Além de outras 5 mil que poderão ser descritas nos próximos anos, com base em espécimes coletados, mas ainda não estudados.

Impacto devastador

Em contraste com essa enorme biodiversidade, os pesquisadores registraram o impacto devastador do homem sobre muitos desses ecossistemas e suas espécies associadas. Os dados do censo confirmam estimativas feitas nos últimos anos de que 90% das populações de grandes peixes marinhos já foram aniquiladas pela pesca predatória.

"O censo nos mostrou como o mar é, como foi e como pode ser se decidirmos tomar conta do nosso ‘planeta oceano’. Os habitantes do mar nos alimentam, nos protegem das tempestades, são fonte de remédios e de prazeres, mas agora precisam de nós tanto quanto precisamos deles", disse a bióloga Nancy Knowlton, do Museu Nacional de História Natural, em Washington, autora de Citizens of the Sea ("Cidadãos do Mar"), um dos livros produzidos pelo projeto.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]