O 99TOP, do aplicativo 99, oferece carros com banco de couro e ar-condicionado, além de mimos como água e balas. | Brunno Covello/Arquivo/Gazeta do Povo
O 99TOP, do aplicativo 99, oferece carros com banco de couro e ar-condicionado, além de mimos como água e balas.| Foto: Brunno Covello/Arquivo/Gazeta do Povo

Não só as cooperativas de táxi estão focando nos serviços premium para ganhar novos clientes e concorrer com atores como o Uber. Os aplicativos de táxi em geral também estão de olho nessa tendência e focam primeiro na cidade de São Paulo, que no ano passado lançou a modalidade “táxi preto”, instituído por decreto do prefeito Fernando Haddad (PT), como laboratório para evoluir no restante do país.

Taxistas ofertam serviços de luxo em cidades onde o Uber não chegou

Leia a matéria completa

Além da cor preta, os carros são obrigados a ter ar-condicionado de fábrica, mínimo de quatro portas, capacidade máxima de sete passageiros e a idade do veículo não pode ser superior a cinco anos.

O 99TOP, do aplicativo 99, dispõe ainda de bancos de couro e carros abastecidos com água e “outros mimos para os passageiros”, conta o gerente de relações institucionais, Pedro Somma. A empresa já capacitou mais de mil motoristas para o serviço. Pelas regras estabelecidas pela prefeitura, o taxista comum pode migrar para a modalidade “preto” sem custos, desde que cumpra com as exigências.

Sobre Uber e outros: “desafio da economia compartilhada é regulamentação”

Leia a matéria completa

A empresa estuda levar o 99TOP para outras cidades com serviços similares aos de São Paulo, e estima que ainda este ano pode lançar a modalidade em outras cidades. Somma adianta que as negociações estão “adiantadas” no Rio de Janeiro, em Belo Horizonte e em Goiânia. Nas três cidades há motoristas do Uber em operação, atualmente.

Já a Easy Taxi opera com o Easy Plus. O aplicativo é o mesmo, apenas opera com outro “filtro”; da mesma maneira que o cliente escolhe a forma de pagamento, pelo celular, também opta entre as cores branco e preta.

A estratégia de empresa -–que desenvolveu uma tecnologia de taxímetro digital – é não cobrar os 25% no valor final da corrida, direito assegurado aos táxis pretos pela prefeitura. Mas cobrar o mesmo valor do serviço comum, com diferença de centavos, no máximo, devido a diferença na forma de contagem em relação ao taxímetro comum.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]