i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Futuro das cidades

Taxistas ofertam serviços de luxo em cidades onde o Uber não chegou

Cooperativas investem em serviços premium, com brindes e uniformes, como forma de fidelizar clientes e preparar o terreno para uma possível chegada do aplicativo de caronas

  • PorNaiady Piva
  • [14/03/2016] [17:30]
Motoristas da Gold Táxi 9001, de Fortaleza. Serviço premium foi lançado por sete motoristas da capital cearense em agosto do ano passado. | Gold Taxi/Divulgação
Motoristas da Gold Táxi 9001, de Fortaleza. Serviço premium foi lançado por sete motoristas da capital cearense em agosto do ano passado.| Foto: Gold Taxi/Divulgação

O temor do Uber já mudou a vida de taxistas, mesmo em cidades em que o aplicativo de caronas ainda não chegou. Cooperativas investem em serviços premium, com brindes e uniformes, como forma de fidelizar clientes e preparar o terreno para uma possível chegada do concorrente. A ameaça é maior em cidades como Salvador e Curitiba, onde o Uber já cadastra motoristas interessados em ser seus parceiros, o que indica uma entrada nestes mercados.

Fundada em agosto do ano passado, a Gold Táxi 9001 é uma iniciativa de sete motoristas de Fortaleza que já ofereciam um serviço diferenciado a seus clientes. Resolveram criar uma empresa que tivesse a qualidade como chamariz. Camisa social, gravata ou terno formam o uniforme obrigatório. Além de álcool em gel e toalha, os motoristas oferecem água, bombom e balinhas para os clientes.

Aplicativos de táxi focam serviço premium de São Paulo para evoluir no Brasil

Leia a matéria completa

Em Curitiba, as cooperativas Faixa Vermelha e Capital operam serviços premium pela modalidade de táxi executivo regulamentada pelo município. Segundo a Urbs, responsável pelo transporte na capital paranaense, os veículos desta classe não são caracterizados como táxi, devem ter fabricação inferior a três anos, ter cinco portas, ar-condicionado e estado de conservação e higiene “impecável”.

Na Faixa Vermelha, os carros também dispõe de internet wi-fi e opcionais, como água mineral e chocolate. Os motoristas receberam treinamento e trajam roupas sociais. Em seis meses, o número de condutores saltou de cinco para 35, e deve chegar a 40 até o fim do mês.

O serviço Capital Luxo também investe em mimos, como água e balas, além de sortear jantar com os patrocinadores. Os carros são todos do tipo sedan. As duas empresas de Curitiba hoje operam atualmente com um desconto de 23%, o que torna a tarifa do táxi executivo igual à do serviço comum.

Bahia

A Teletaxi, que atua há mais de três décadas no mercado de Salvador, lançou em dezembro de 2015 o “Teletaxi Class”. Informações divulgadas no site da empresa anunciam “água gelada, balas, jornal diário, revistas femininas e infantis, além de cardápio musical, wifi e carregador de celular”. A reportagem não conseguiu contato com o responsável pelo serviço para comentar a iniciativa.

Sobre Uber e outros: “desafio da economia compartilhada é regulamentação”

Leia a matéria completa

A Gold Táxi 9001, de Fortaleza, opera no serviço de táxi comum, mesmo, e não no executivo. Um dos fundadores, Márcio de Sá, é taxistas há 13 anos, e conta que a empresa busca combater aquilo que vê como uma “falha”: taxistas “mal trajados, mal educados, com o carro sujo e intenção de enganar o cliente”.

Sá diz não temer o Uber, que ainda não opera no Ceará. “Quem faz as coisas direitinho não tem que temer o Uber. Quem vai para o Uber não é por causa de carro, mas por causa do mal atendimento dos taxistas”.

O advogado Geison Paschoal, que atua na defesa do Consumidor no Rio de Janeiro e na Bahia, acredita a entrada do Uber torna o mercado mais competitivo, o que obriga os taxistas a se adequarem com “criatividade e inteligência”.

Paschoal acredita que profissionais de iniciativa podem se diferenciar da concorrência. E diz que a conta é simples: “Quem não gosta de ser bem tratado? Entrar em um carro com boa música, água e cafe é muito diferente de um que esteja quebrado, cheirando mal, com música alta, onde você é mal tratado”.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.