Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Daniel Castellano/Gazeta do Povo
| Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo

Sem acordo em cinco horas de audiência no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), os motoristas e cobradores recusaram a proposta e decidiram continuar com a greve parcial de ônibus em Curitiba e Região Metropolitana. A paralisação chegará ao oito dia nesta quarta-feira (22).

Confira o resumo do sétimo dia de paralisação do transporte público de Curitiba

Greve de ônibus: Gulin pede paciência à população e diz que tenta evitar novo aumento da tarifa

Após a finalização da segunda audiência de conciliação, o presidente do Setransp disse que as empresas estão fazendo o possível para que a tarifa não aumente novamente.

Leia a matéria completa

Mesmo com a continuidade da paralisação, a desembargadora Marlene Suguimatsu determinou a ampliação da frota mínima - 80% nos horários de pico (5h às 9h e das 17h às 20h) e 60% nos demais períodos. A nova frota mínima deverá ser cumprida a partir das 5h da manhã desta quarta-feira (22). A multa de R$ 100 mil por hora foi mantida pela magistrada.

Depois de duas audiências de conciliação, o dissídio coletivo da categoria vai a julgamento numa Seção Especializada no Tribunal Regional do Trabalho que reúne todos os desembargadores do tribunal. O julgamento ainda não tem data marcada para acontecer, mas a previsão da desembargadora é de que o assunto deva ser retomado em aproximadamente uma semana e meia.

Até lá, a frota mínima estipulada pela Justiça deve ser cumprida. “Os responsáveis poderiam se empenhar mais na busca por uma solução. A falta de vontade foi percebida em alguns momentos”, declarou a magistrada Marlene Suguimatsu, que conduziu a audiência.

Vale-alimentação foi ponto de discórdia

O Sindimoc, sindicato que representa os motoristas e cobradores, rejeitou a proposta das empresas, que durante toda a negociação não saiu dos 6% de reajuste dos salários e no vale-alimentação, além de R$ 400 de abono a serem pagos em maio de 2017. De acordo com o sindicato, 90% dos 833 trabalhadores presentes em assembleias rejeitaram a proposta das empresas de reajustar em 6% o vale-alimentação.

Sete dias de greve e muito prejuízo

A maior greve de ônibus do Real, a paralisação dos motoristas e cobradores entra no oitavo dia nesta quarta-feira e tem causado prejuízos na rotina de trabalhadores e empregadores. Durante o período, os passageiros tem enfrentado longas filas e demora nos veículos. De acordo com a Urbs, só nos cinco primeiros dias de paralisação na capital – quatro deles com greve parcial – cerca de 3 milhões de passageiros deixaram de viajar nos ônibus da cidade. Isso representaria uma perda de mais de R$ 5,8 milhões nesse período

As outras propostas tinham sido aceitas pela categoria, mas, sem o aumento do benefício pelo Setransp, o sindicato patronal, a negociação voltou à estaca zero. Com isso, os trabalhadores voltam à proposta inicial de15% de reajuste nos salários e vale-alimentação que passava de R$ 500 para R$ 977. “Os trabalhadores abriram mão do máximo para conseguir a conciliação, mas acabaram não sendo respeitados”, disse Anderson Teixeira, presidente do Sindimoc.

Depois da primeira audiência de conciliação no TRT, os trabalhadores reduziram o pedido de reajuste salarial para 10%, o vale-alimentação para R$ 630 e pediram um abono salarial de R$ 450. Estas condições deixaram de ter validade, segundo o sindicato.

O presidente do Setransp, Maurício Gulin, afirmou que a audiência foi desgastante, mas que o sindicato continuará em busca de uma solução. “Todo mundo tem que ceder”, disse. Gulin ainda pediu paciência dos passageiros enquanto o dissídio coletivo não se resolve. “Peço mais paciência da população. Estamos em busca de uma solução para que não seja preciso um novo aumento na tarifa”, afirmou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]