i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Tecnologia

Indústria médica em alta no Brasil

Estudo da Organização Mundial da Saúde coloca o Brasil como segundo maior produtor de equipamentos para medicina entre países emergentes

  • PorAgência Estado
  • 09/09/2010 21:05
Equipamento de tomografia fabricado pela General Electric na cidade de Contagem (MG): empresa é a segunda maior do mundo em produção de aparelhos médicos | Frederico Haikal/Jornal Hoje Em Dia
Equipamento de tomografia fabricado pela General Electric na cidade de Contagem (MG): empresa é a segunda maior do mundo em produção de aparelhos médicos| Foto: Frederico Haikal/Jornal Hoje Em Dia

O Brasil já é o segundo maior produtor de equipamentos e tecnologia médica entre os países emergentes. A constatação é da Organização Mundial da Saúde (OMS), que publicou ontem seu primeiro levantamento sobre o setor. Empresas do país venderam, em 2009, US$ 2,6 bilhões. O volume só foi superado pela China. A OMS lembra que, desde a criação de esgotos fechados ou do raio X, a medicina tem sofrido uma importante revolução. Hoje, a indústria da tecnologia médica é vista como uma das esperanças para salvar vidas e garantir que populações mais carentes tenham acesso à saúde. Se muitos dos equipamentos são caros e acessíveis apenas aos países mais ricos ou clínicas privadas, a inovação na medicina também significa a criação de instrumentos baratos e eficientes para o diagnóstico de doenças e tratamento. "A indústria de aparelhos médicos tem em suas mãos a grande promessa para a saúde pública", afirmou Marga­­ret Chan, diretora da OMS.

O levantamento deixa claro que o controle sobre esse setor da medicina está nas mãos dos países ricos. Europa e Estados Unidos vendem quatro a cada cinco aparelhos comercializados no mundo, num mercado anual de US$ 210 bilhões. Só os EUA ven­­dem, por ano, US$ 91,3 bi­­lhões, 40% de todo o mercado de equipamentos médicos. O Japão vem em segundo lugar, com US$ 22,7 bilhões, seguido pela Alemanha com US$ 18 bilhões.

Pelo levantamento, a maior empresa do mundo no setor é a Johnson & Johnson, com vendas de US$ 23,2 bilhões, seguida pela também americana GE, com US$ 17 bilhões. A alemã Siemens vem na terceira colocação, com US$ 15 bilhões. Mas das 30 maiores empresas do mundo no setor médico, 19 são americanas.

Comércio

A OMS destaca que, pela primeira vez, países emergentes surgem como atores desse comércio. A China vem em primeiro lugar, com vendas em 2009 de US$ 6,1 bilhões, e já superando tradicionais fabricantes de tecnologia médica como a Suíça ou a Itália. Os chineses têm 2,7% do mercado global e 28% de tudo o que os emergentes vendem.

Já as vendas brasileiras superam as da Índia, que, nos últimos anos, tem sido um dos centros da inovação e do setor de saúde. Para a OMS, investimentos nacionais em hospitais e indústrias competitivas no Brasil para exportar serão os principais fatores que podem desenvolver o setor no país nos próximos anos. Apesar das vendas, o Brasil ocupou apenas 1% do mercado global em 2009.

Chan, porém, alerta que o desafio é o de fazer chegar essa tecnologia às camadas mais pobres. "Os benefícios da tecnologia ainda estão sendo distribuídos de forma injusta", alertou. O mercado avaliado pela OMS inclui mais de 10 mil aparelhos e tecnologias disponíveis vendidos por 27 mil empresas do setor. Mas, a conclusão é de que apenas uma parcela da população mundial tem acesso a essas tecnologias.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.