| Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr
| Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr

Avaliação

Qual é a sua opinião sobre a lei que institui cotas nas universidades federais? Ela poderia ser aperfeiçoada?

Escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

As cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

Os estudantes que participarem do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2012 já poderão ser beneficiados pela Lei de Cotas, que reserva 50% das vagas nas universidades federais para alunos que cursaram todo o ensino médio em escola pública. O projeto de lei foi sancionado ontem pela presidente Dilma Rousseff, mas na prática só passa a valer para os vestibulares de 2013, inclusive o Sistema de Seleção Unificada (Sisu). O Sisu unifica a oferta de vagas nas universidades federais e seleciona os estudantes a partir do resultado obtido no Enem.

De acordo com a lei, metade da reserva de 50% deve ser destinada a alunos com renda familiar igual ou menor a 1,5 salário mínimo por pessoa. Outra parte precisa ser reservada a negros, pardos e índios, proporcionalmente à composição dessa população em cada estado. O texto sofreu apenas um veto, no artigo 2.º, que estabelecia que o critério de seleção dos alunos cotistas seria o Coeficiente de Rendimento, obtido por meio da média das notas no ensino médio. Segundo o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, o critério de seleção será o Enem, mas as universidades poderão adotar mecanismos complementares.

As instituições terão quatro anos para implantar progressivamente o porcentual de reserva de vagas. As regras e o cronograma para a transição serão estabelecidos pela regulamentação da lei, que deve sair até o fim de setembro.

Atualmente, a maioria das universidades já adota algum tipo de ação afirmativa, mas poucas atingem um porcentual de 50% das vagas. Segundo a ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Luiza Bairros, a Lei de Cotas deverá ampliar de 8,7 mil para 56 mil o número de estudantes negros que ingressam anualmente nas universidades públicas federais.

Paraná

Com o projeto sancionado, o edital do vestibular 2013 da Universidade Federal do Paraná (UFPR), publicado no último dia 2 de agosto, deveria ser modificado. O reitor da instituição Zaki Akel Sobrinho acredita, no entanto, que isso não será necessário. "O assunto será estudado pela nossa Procuradoria Jurídica, mas como a lei foi sancionada depois da publicação do edital acreditamos que ela não poderá ser aplicada de forma retroativa", disse. Hoje a universidade destina 20% das vagas para candidatos que fizeram o ensino fundamental e o médio em escolas públicas e outros 20% para afrodescendentes. A política afirmativa é adotada, por enquanto, só na segunda fase do vestibular.

Já a Universidade Tecno­­lógica (UTFPR) e o Instituto Federal do Paraná (IFPR), que já oferecem 50% das vagas no ensino superior para alunos de escolas públicas, precisarão incluir as cotas raciais e por renda. No caso da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila) e da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), que não têm reserva de vagas, todo o processo precisará ser alterado.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]