i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Cartão Postal

Arquidiocese de Maringá é absolvida no caso da energia elétrica da Catedral

Caso tornou-se polêmico porque a prefeitura pagou a conta de luz da Catedral entre 1997 e 2001. MP pediu explicações e arquidiocese devolveu dinheiro

  • PorHélio Strassacapa
  • 08/09/2009 16:21
A condenção era a proibição da igreja em receber incentivos púbicos por três anos | Arquivo/Gazeta do Povo
A condenção era a proibição da igreja em receber incentivos púbicos por três anos| Foto: Arquivo/Gazeta do Povo

O Tribunal de Justiça do Paraná acatou o recurso apresentado pela Mitra Arquidiocesana de Maringá no processo que tratava do pagamento indevido de energia elétrica da Catedral Nossa Senhora da Glória. Em fevereiro, a justiça condenou a Prefeitura porque entre os anos de 1997 e 2001 destinou dinheiro para a iluminação do principal cartão postal da cidade. A arquidiocese também foi condenada em primeira instância, mas recorreu.

A pena imposta à igreja foi a proibição de contratar serviços públicos e de receber qualquer incentivo do município durante três anos, condenação agora revogada. Segundo a arquidiocese, a igreja só aceitou a medida porque a prefeitura pediu que a catedral ficasse iluminada durante toda a noite. O Ministério Público pediu explicações e apresentou Ação Civil Pública, mesmo depois da devolução de aproximadamente R$ 170 mil para os cofres públicos depois que a situação se tornou polêmica.

A decisão transitou em julgado e a questão agora se encontra definitivamente resolvida. Desde que o MP se manifestou a solução adotada foi de que a diocese pague as despesas do consumo interno da catedral e a prefeitura pague a conta de luz da praça.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.