i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Caso Pesseghini

Medicamentos e doença não mudavam comportamento de garoto, diz médica

Marcelo Pesseghini, de 13 anos, é o principal suspeito, segundo a policia, de matar os pais, a avó e a tia-avó e depois se suicidar dentro da casa da família

  • Poragência o globo
  • 22/08/2013 16:51

Em depoimento à Polícia Civil de São Paulo, nesta quinta-feira (22), a médica pneumologista Neiva Damasceno, que cuidava do adolescente Marcelo Eduardo Bovo Pesseghini, de 13 anos, portador de fibrose cística, negou que a doença e os medicamentos que o garoto tomava provocassem alterações no comportamento dele. Marcelo é o principal suspeito, segundo a policia, de matar os pais, a avó e a tia-avó e depois se suicidar dentro da casa da família, na Vila Brasilândia, Zona Norte da capital paulista. A fibrose cística é uma doença crônica que afeta o funcionamento dos pulmões e de outros órgãos do corpo.

"Os medicamentos não causavam nenhuma alteração no comportamento. A doença, tampouco." Neiva seria ouvida na terça-feira, mas pediu para remarcar o depoimento por problemas pessoais. Marcelo havia feito uma consulta com a médica 15 dias antes do crime acontecer.

Mais de 30 pessoas já foram ouvidas no inquérito que apura as mortes. Algumas delas, colegas de Marcelo, disseram à polícia que ele planejava matar os pais. Outras pessoas devem ser ouvidas até a conclusão do inquérito, que só deve acontecer após a chegada de laudos do Instituto de Criminalística (IC) e do Instituto Médico Legal (IML).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.