Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Estrutura de alumínio ficou totalmente retorcida com a força dos ventos no Porto de Paranaguá | Nájia Furlan/Appa
Estrutura de alumínio ficou totalmente retorcida com a força dos ventos no Porto de Paranaguá| Foto: Nájia Furlan/Appa
  • Porto de Paranaguá sofreu muitos estragos com a tempestade

Mil domicílios continuam sem energia elétrica no Litoral do Paraná nesta quinta-feira (27), por causa do temporal que atingiu a região Leste do Paraná na quarta-feira (26). Já são 24 horas sem energia elétrica. De acordo com a Copel, o fornecimento ainda não foi normalizado nos casos mais complicados e o novo prazo para reestabelecimento é até a noite.

As unidades consumidoras sem luz estão concentradas em Paranaguá e há algumas ocorrências em Pontal do Sul. Conforme a companhia de energia, o serviço ainda não foi totalmente reestabelecido pois, nessas regiões, houve queda de árvores sobre a rede e cabos rompidos pelos ventos, o que demanda mais trabalho.

As chuvas que atingiram Curitiba na tarde desta quinta-feira também causaram prejuízos. Segundo a Copel, foram registrados 600 casos de falta de energia na capital. Ainda conforme a Companhia, a previsão de reestabelecimento do serviço é no início da noite.

Após o temporal, 130 mil unidades consumidoras ficaram sem luz em Curitiba, RMC e Litoral. Na capital, foram 48,6 mil domicílios, especialmente nos bairros Boqueirão, Campo Comprido, Sitio Cercado, Uberaba e Pinheirinho. O fornecimento de energia nesses locais foi normalizado por volta das 22 horas, segundo a Copel.

A forte pancada de chuva provocou estragos principalmente em Paranaguá, onde dezenas de casas foram destelhadas. De acordo com informações do Simepar, foram registrados ventos de 70 a 80 quilômetros por hora na cidade.

Porto de Paranaguá

O Porto de Paranaguá também foi danificado com as chuvas e os fortes ventos registrados nesta quarta-feira no Litoral do estado. Equipes trabalham para recuperar estruturas do porto, principalmente a cobertura do silo público de granéis (Silão), que foi arrancada. Ainda foram registrados estragos na portaria do pátio de triagem e em parte do telhado do armazém 12 do porto.

De acordo com nota divulgada pela assessoria do Porto, os novos guichês de acesso e o prédio administrativo, que estavam prontos para uso, foram bastante danificados pelos ventos. Uma estrutura de alumínio de 80 metros de comprimento que cobria a nova portaria do pátio foi totalmente arrancada e ficou retorcida. Com os ventos fortes, as placas foram arremessadas para longe e atingiram o telhado das instalações dos operadores portuários.

Ainda conforme a assessoria da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), um caminhão que entrava no porto no momento da tempestade foi atingido por uma das placas. Algumas cantinas também foram destelhadas e uma delas foi atingida por uma árvore. Apesar dos estragos, ninguém ficou ferido.

Algumas chapas de telhado da subestação da Copel que atende o Porto também foram arrancadas. No Silão (silo vertical que comporta cem mil toneladas), as placas do telhado foram arremessadas contra o telhado das moegas de recepção e correias. O silo horizontal, que armazena farelo e soja, também foi danificado, assim como outros armazéns que tiveram telhas arrancadas.

Ainda conforme a nota da Appa, os prejuízos ainda não foram calculados e, por enquanto, o trabalho é de contenção dos danos sobre os produtos armazenados para que não sejam danificados. A diretoria técnica do órgão está avaliando os danos para contratar uma empresa para reconstrução das estruturas emergencialmente.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]