093209

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida e Cidadania
  3. O meu carro também é seu

mobilidade

O meu carro também é seu

Empresa de Curitiba está permitindo a donos de veículos ganharem dinheiro com os seus carros no período em que não os estão usando

  • Mauri König
Compartilhamento de carro e outras ideias ajudarma a mudar o trânsito de Paris, diz Víctor Etgens, especialista em mobilidade. | Henry Milleo/Gazeta do Povo
Compartilhamento de carro e outras ideias ajudarma a mudar o trânsito de Paris, diz Víctor Etgens, especialista em mobilidade. Henry Milleo/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Curitiba tem 1,45 milhão de automóveis, a grande maioria carros de passeio que passam em média duas horas por dia em movimento e ficam parados no restante do tempo. Um grupo de empreendedores viu nesse tempo perdido em estacionamentos uma oportunidade de negócios para eles e para os donos dos veículos, além de contribuir para otimizar o uso do carro nos ambientes urbanos cada vez mais congestionados. Assim nasceu, em Curitiba, a Fleety, uma empresa de compartilhamento de veículos que permite ao proprietário ganhar dinheiro no período em que não o está usando.

A proposta da Fleety é um consumo mais inteligente do carro, permitindo ao dono recuperar parte dos custos com IPVA, seguro, combustível, estacionamento, manutenção e outras despesas camufladas no orçamento sem que a pessoa se dê conta. A empresa faz a intermediação, via site, entre o locatário e o locador. “É uma oportunidade de o proprietário se rentabilizar com esse veículo, que hoje é um ônus”, diz o CEO da Fleety, André Marim.

Em seis meses de operação, a startup tem três mil usuários cadastrados e mais de 200 carros ofertados em sua plataforma on-line. Curitiba, onde a ideia foi posta em prática em setembro, responde por 60% desse mercado, mas a região metropolitana de São Paulo já chegou a 40% em um mês e meio de funcionamento. Até o fim de fevereiro a empresa contabilizava 235 negócios e mais de duas mil horas de locação. André vê um crescimento exponencial do negócio, que praticamente tem dobrado de um mês para o outro. Há, portanto, um mercado promissor no país.

A Fleety tem média de um carro para 15 pessoas cadastradas em sua plataforma on-line, mas em mercados maduros, a exemplo do americano e do europeu, chega a um para 40 pessoas. São muitos os atrativos para o proprietário e o locador. O pagamento com cartão de crédito elimina a inadimplência. A transação inclui um seguro que cobre colisões, roubos, morte, invalidez. A Fleety provê o seguro sem custo adicional para o dono, que não precisa usar o seu próprio seguro. Em geral, esse seguro é mais completo do que o proporcionado pelas locadoras de veículos.

A empresa cobra 20% sobre o valor da transação, para oferecer o serviço em si, o seguro, a assistência 24 horas durante a locação. A taxa já está incluída no valor da hora locada. Dos carros disponíveis atualmente, a maioria custa em média R$ 12 ou R$ 13 por hora locada, mas há muitos top de linha. O portfólio vai do Uno Mille básico a R$ 5 por hora até a Grand Cherokee a R$ 50 por hora. Nesse meio também há carros por demanda, como utilitários e esportivos. A Fleety só não cadastra carros com mais de 10 anos de fabricação ou com mais de 100 km rodados.

Ao término da locação, o proprietário avalia o locatário na plataforma on-line e vice-versa. “Isso gera um ranking dentro da plataforma”, explica André. Futuros locatários e locadores poderão se basear nesses comentários para decidir se fecham negócio com alguém. A Fleety faz a intermediação, mas incentiva a interação dos usuários, por isso recomenda um contato pessoal entre ambos antes de fechar a locação. Metade dos cadastrados tem entre 25 e 35 anos. Os donos se dividem em proporções iguais entre homem e mulher. Entre os locatários, 70% são homens.

Uma mudança cultural em curso

O CEO da Fleety vê uma mudança cultural em curso na relação dos brasileiros com os carros. Nas décadas de 80 e 90, diz ele, o carro tinha um caráter de status, um bem quase intangível que se valorizava nos anos seguintes à retirada da concessionária. Hoje os carros tendem a perder logo o valor monetário e as novas gerações os têm visto mais como um serviço e não tanto como uma posse.

“O que tínhamos era uma idolatria do carro. Hoje ele passa muito mais por uma necessidade de serviço. É o que a gente chama de mobilidade como serviço”, explica André. Para ele, os jovens contemporâneos pensam mais “eu preciso para me deslocar” e nem tanto “eu preciso para gerar um status”.

André diz notar essa mudança cultural ao analisar o perfil das pessoas cadastradas no Fleety, que cada vez mais veem o carro como uma ferramenta de deslocamento. “Compartilhar não significa deixar de amar o seu carro. A plataforma se dispõe a amar tanto quanto e oferece toda a segurança na hora da locação.”

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE