i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
alimentação engajada

O prato que você leva à mesa também pode ser uma escolha política. Entenda

O consumo e a produção de alimentos integram um amplo sistema de escolhas capaz de definir as orientações de uma pessoa ou de um grupo

  • PorAngieli Maros
  • 21/01/2017 15:00
Amanda Kosinski e Camila Lovato , proprietárias da Central do Abacaxi: “você tem que pensar que sistema você alimenta quando você se alimenta” | Hugo Harada/Gazeta do Povo
Amanda Kosinski e Camila Lovato , proprietárias da Central do Abacaxi: “você tem que pensar que sistema você alimenta quando você se alimenta”| Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo

O comportamento do Congresso, a atuação do Judiciário e o desempenho do Executivo ainda concentram boa parte da discussão política em sua esfera formal. Por outro lado, torna-se cada vez mais evidente o enfraquecimento dos limites tradicionais deste tipo de discussão ao mesmo tempo em que a sociedade encontra caminhos alternativos para se revelar politicamente engajada. O ativismo conquista as ruas, as escolas, os coletivos e também a mesa.

Você não leu errado. O consumo e a produção de alimentos integram um amplo sistema de escolhas capaz de definir as orientações de uma pessoa ou de um grupo. Um dos maiores encorajadores do “comer” como prática política, o autor e jornalista estadunidense Michael Pollan costuma descrever a gastronomia dentro de uma prática social e cultural construída em cima da “comida de verdade”. Para ele, a mesa é um espaço social, e os alimentos, “ferramentas de cidadania” com força o suficiente para fortalecer um sistema alimentar alternativo que possa bater de frente com as grandes empresas de alimentos processados. A briga não está no lucro, mas na essência da democratização do sistema, que contempla desde a produção até a preparação dos pratos dentro de casa.

Restaurante de Curitiba aposta no horário para servir comida boa por mais tempo

Leia a matéria completa

“Quando a gente está falando em comer como ato político, estamos pensando em outras formas de fazer política”, explica Elaine de Azevedo, nutricionista e especialista em sociologia da alimentação. Professora da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), a profissional defende o comprometimento político da alimentação uma vez que o assunto está diretamente ligado a dimensões essenciais da vida, como saúde e ambiente saudável, por exemplo.

“Temos que pensar a alimentação como ato político dentro de várias instâncias. Precisamos olhar para a agricultura familiar, com menos impacto para o meio ambiente, para as comunidades quilombolas, para os ribeirinhos. Se a gente não falar deles, não conseguimos ver o elemento político”, ressalta a nutricionista, que acredita num crescimento cada vez mais constante da nova tendência da relação com os alimentos. “Cada vez mais os impactos estão perto da gente. Quando aumenta a pobreza na porta da tua casa, você tem que agir”, completa.

A professora da Universidade Federal de Goiás (UFG) Janine Collaço acrescenta que a escolha por transformar a alimentação em um movimento social engajado e consciente é uma forma de contestar certos padrões estabelecidos. A prática tem origem, sobretudo, a partir da fundação do slow food, tipo de movimento que alia a biodiversidade e o uso de produtos artesanais ao prazer da alimentação.

“[A prática] adquire visibilidade ao criticar um modo de comer que se acreditava ser padronizador, de baixa qualidade, representado sobretudo pelos fast-foods de origem norte-americana. É o momento em que se acentuam movimentos de resistência local, os vegetarianos e veganos chamam a atenção, bem como os freegans, estes bem mais recentes”, diz.

O que tem na mesa?

O nicho da alimentação politicamente correta valoriza produtos orgânicos e não descarta a reconsideração do consumo de carne vermelha. Mas não é um limitador de cardápio. Na prática, o movimento não busca determinar o que comer ou não comer, mas sim valorizar o ciclo de produção em cada uma de suas etapas.

“Posso ser vegano e comer só trigo branco refinado ou comprar produtos só de grandes corporações. Não é isso que o ato político da alimentação busca”, explica a professora da UFES. “Existe uma discussão maior. Tem que ser discutida a agroecologia, as formas de agricultura sustentável, até mesmo o transporte, para saber quanto tempo o alimento leva até chegar em nossa casa”, completa.

Para Janine Collaço, a definição do que levar para a mesa depende da maneira como os grupos relacionam a moral e a política. “Comer animais para uns é inadmissível, e para outros não consumir carne é pobreza. Há um discurso moral subjacente que tenta ser disciplinador. Eu diria que mais que consumir, boicotar certos alimentos pode evidenciar melhor o caráter político da alimentação”, ressalta.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.