i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
universo

O que já sabemos

Conheça os principais estudos sobre a Via Láctea divulgados nos últimos 10 anos:

  • Por
  • 14/06/2015 21:47

- Hoje conhecemos quase 2 mil planetas fora do Sistema Solar, chamados de planetas extra-solares. Isso mostra que há mais planetas dentro da nossa galáxia do que se imaginava e talvez seja possível encontrar algum astro como a Terra.

Via Láctea teria quatro braços espirais

Pesquisadores da UFRGS chegaram à conclusão, que contraria dados divulgados em 2008. Estudo foi divulgado no site da Nasa

Leia a matéria completa

- Água foi detectada em muitas luas e planetas do Sistema Solar. Em 2012, a sonda Messenger, da Nasa, mostrou que Mercúrio é um desses astros. Já na Lua, em outubro de 2009, o satélite da Nasa LCROSS encontrou pequenas moléculas de água. Europa, Calisto e Ganimedes, que são luas de Júpiter, também abrigam água, além de Encéfalo, pequena lua de Saturno – as confirmações ocorreram este ano. Essas descobertas aumentam as chances de encontrar vida fora da Terra e passam a fazer parte dos possíveis lugares para migrações do ser humano futuramente.

- No início deste ano, foi descoberta a formação de estrelas muito longe do disco da nossa Galáxia, a cerca de 16 mil anos luz. Esse estudo contribui para traçar a estrutura e evolução da Via Láctea. A formação estelar tão longe do disco não era esperada.

- Hoje conhecemos mais de 2 mil asteroides no cinturão de Kuiper (além de Plutão). As descobertas estão concentradas depois dos anos 2000, e é importante saber a origem desses elementos para entender melhor a formação da Via Láctea como um todo.

- Já descobrimos mais de 10 mil asteroides próximos à Terra, que são potencialmente perigosos – as descobertas se concentram após os anos 2000 por causa do desenvolvimento tecnológico. Isso envolve diretamente a segurança do planeta, pois eles podem se chocar contra a Terra. Os estudos contribuem para entender como se proteger.

- Os relógios mais precisos do universo são algumas anãs brancas (último estágio de uma estrela como o sol). Funcionam como contadores de tempo, dando indicações da origem do universo.

- Buracos negros massivos estão presentes nos centros de galáxias. O estudo se desenvolveu a partir dos anos 2000. Conhecendo detalhes das galáxias, é possível estudar a sua evolução.

- Foram encontradas fortes evidências da expansão acelerada do universo. Isso nos permite estimar a massa e a composição do universo. Essas descobertas agregam informações ao modelo do universo, que ainda não é claro.

- Ocorreu uma “chuva” de galáxias anãs na Via Láctea no último bilhão de anos – os estudos datam de 2005. Uma fração significativa da massa da nossa galáxia poderia ter sido criada por esse mecanismo, como se essas galáxias anãs fossem agregadas pela Via Láctea e passassem a fazer parte da sua estrutura, contribuindo para a sua evolução. Esse é um novo norte sobre como ocorreu a estruturação da Via Láctea.

- O Cerro do Jarau, no município de Quaraí, é uma das 300 crateras de impacto conhecidas no planeta. Estudos de 2012 mostram que o impacto ocorreu há 107 milhões de anos – essa cratera é uma das poucas brasileiras nesse tamanho. Agora, é possível desenvolver mais pesquisas para entender detalhes do impacto e de suas consequências no geral.

Fontes: professores do Departamento de Astronomia do Instituto de Física da UFRGS Eduardo Bica e Charles Bonatto.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.