i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Justiça

PEC pode criar cargo de juiz supervisor, com salário menor

  • Por
  • 14/12/2008 21:04

R$ 4 milhões

sobraram do orçamento do Tribunal de Justiça no ano passado. O dinheiro foi para o fundo de construção do Centro Judiciário do Paraná.

R$ 370 mil mensais são gastos atualmente pelo TJ para o pagamento dos aluguéis de 16 prédios em uso na capital.

40% do valor atual de um juiz que atua nos Juizados Especiais é quanto podem ganhar os novos "juízes supervisores", se a PEC 34/2008 for aprovada.

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 34, de 2008, de autoria do senador Alvaro Dias (PSDB-PR), sugere aos Juizados Especiais a contratação de "juízes supervisores", que atuem na realização de conciliações. O novo cargo teria uma remuneração de 40% do valor de um juiz que atua hoje nos Juizados. A PEC causou repúdio em diversas instituições, como a Associação Nacional dos Juízes Federais (Ajufe).

Como justificativa, o texto da PEC informa que os "juízes supervisores (...) não empregarão formalismos dispensáveis no procedimento e prolatarão sentenças menos densas, fator que implicará o aceleramento dos feitos". E a menor remuneração, "dada a reduzida complexidade de suas funções jurídicas, permitirá a economia de bilhões de reais ao Estado e facilitará (...) a contratação mais célere de magistrados".

O diretor do fórum cível, Luciano Campos de Albuquerque, diz que os Juizados são um exemplo de funcionamento. "Eu sou suspeito por ser um fã dos Juizados. Acho que é um tipo de justiça que merece mais investimentos. Não há burocracias", defende.

Juiz dos Juizados Especiais e diretor-geral da Escola da Magistratura do Paraná, Roberto Bacellar tem opinião semelhante à de Albuquerque: "Os Juizados são um exemplo para o mundo da Justiça. Há países que exigem requisitos para se ter acesso à Justiça gratuita. Não é o caso do Brasil, que atende qualquer pessoa, seja rico ou pobre", diz. "As conciliações valorizam o trabalho. Muito da Justiça se faz com alguma conversa. Para que a pessoa vá para casa em paz", completa. (VB)

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.