i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Desempenho estadual

Pelo terceiro ano, Paraná é o 2.º colocado

Saúde puxa para cima o índice do estado, mas o indicador de educação, quinto do país, ainda é um desafio para os gestores

  • PorThemys Cabral
  • 25/09/2010 21:05
Confira o ranking nacional |
Confira o ranking nacional| Foto:

Saldo positivo

Maior parte dos municípios evoluiu

Dos 399 municípios paranaenses, em 2007, 20 eram considerados de alto desenvolvimento (sete a mais que em 2006), 355 moderado (123 a mais que em 2006), 24 regular (seis a menos que 2006). Nenhum município paranaense enquadrou-se como de baixo desenvolvimento. No geral, 94% dos municípios paranaenses têm desenvolvimento moderado ou alto (veja quadro).

Entre os cem municípios brasileiros com mais alto índice de desenvolvimento, quatro são paranaenses: Curitiba, Londrina, Maringá e São José dos Pinhais. Entre os dez municípios do estado mais bem colocados, quatro fazem parte da região metropolitana. Entre os piores, estão Goioxim, Doutor Ulysses, Laranjal e Guaraqueçaba.

Para a professora do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Paraná Olga Firkowski, ao contrário do restante do país, que apresenta uma interiorização do desenvolvimento, o estado concentra o crescimento nos polos econômicos. "O Paraná privilegia as grandes cidades". O macroeconomista e professor do curso de Economia da Universidade Positivo Wilhelm Meiners concorda. "Há concentração no eixo metropolitano, no eixo norte, Londrina e Maringá, e no eixo oeste, Cascavel, Toledo e Foz", analisa.

O melhor e o pior do estado

Com uma população de 8 mil habitantes, Guaraqueçaba, no litoral do Paraná, é o município com o IFDM mais baixo em 2007: 0,5001. A variável mais fraca do município foi a renda, com 0,2326. Educação ficou em 0,5581; e saúde, 0,7095. Em edições anteriores, o município já demonstrava um desempenho baixo. Em 2000, o IFDM ficou em 0,4863, deixando-o na 384.ª posição.

Leia a matéria completa

  • Por falta de oferta de Ensino Médio, Marinele Dias (à frente) ficou sete anos longe da escola. Agora espera que os filhos concluam os estudos em Guaraqueçaba

Pelo terceiro ano consecutivo, o Paraná manteve a segunda posição no ranking nacional de desenvolvimento social, de acordo com o Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM), elaborado pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan). De acordo com o estudo divulgado, em 2007, quase metade da população paranaense (44%) vivia em municípios de alto desenvolvimento. Em 2000, esse porcentual era 0,03%. Outra parte, 54%, em 2007, morava em municípios de desenvolvimento moderado. Apenas 2% da população pertencia a municípios de desenvolvimento regular, contra 25% em 2000. Nenhum paranaense morava em municípios de desenvolvimento baixo em 2007.

No estudo divulgado essa semana, com base em dados de 2007, o Paraná alcançou IFDM de 0,8244, 2,1% a mais que no ano anterior. Apenas Paraná e São Paulo, o primeiro colocado, apre­­sentam alto índice de desenvolvimento. O Paraná foi um dos cinco estados brasileiros que em 2007 apresentou crescimento do IFDM nas três áreas de desenvolvimento contempladas pelo índice (emprego/renda, saúde, educação).

Na análise feita por área de desenvolvimento, o Paraná confirma sua liderança na saúde, com IFDM-saúde de 0,8762 – crescimento de 1,2% em relação ao ano anterior. O índice de emprego/renda subiu de 0,8344 para 0,8427, influenciado pelo bom desempenho da geração de empregos formais, garantindo ao estado a terceira posição no país. Por fim, em educação, o Paraná obteve um crescimento de 0,7216, em 2006, para 0,7544, em 2007. Embora o aumento tenha sido considerável, o indicador de educação manteve-se no patamar moderado, colocando o estado na quinta posição no ranking nacional nesta área.

De acordo com o chefe da divisão de estudos econômicos da Firjan, Guilherme Mercês, saúde é a melhor variável do estado, já educação puxa o IFDM paranaense para baixo, embora tenha sido a vertente de maior crescimento no Paraná, entre 2006 e 2007. "Saúde é o destaque do Paraná e Região Sul, já educação é a vertente mais fraca do estado, embora tenha crescido", diz. Para o macroeconomista e professor do curso de Economia da Uni­­­ver­­sidade Positivo Wilhelm Meiners, a "saúde vai bem em todo o estado, a educação não vai tão bem, mas há homogeneidade. A renda vai bem, mas existe concentração".

De acordo com a superintendente da Secretaria de Estado da Educação, Alayde Digiovanni, o resultado em educação no Paraná não é tão alto quanto se esperava por dois fatores. O primeiro é que 20% da nota refere-se a atendimento à educação infantil. "Antes não tinha a obrigatoriedade de universalização de educação para a faixa etária de 4 e 5 anos, agora os municípios estão aumentando suas vagas para atender a isso". O segundo motivo, segundo ela, é que cerca de 10 a 12 mil professores do ensino fundamental, que fizeram curso superior, ainda não tiveram o diploma reconhecido. "Já está se trabalhando nisso. Depois que for reconhecido, o Paraná vai pular para o primeiro lugar", promete. A variável refere-se a 15% da nota de educação.

Já o secretário de estado de saúde, Carlos Moreira Júnior, afirma que o resultado alcançado pelo Paraná no setor é explicado pelas políticas públicas realizadas. "Como o programa 'Nas­­­cer no Paraná: Direito à Vida', melhoria do registro das causas de morte, um programa de saneamento e água tratada e o combate à desnutrição, à diarreia e à pneumonia", relaciona.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.